Tonolucro

Somente Deus proverá; a história encontra-se registrada em Gênesis 22

LORENA DIAS, DA REDAÇÃO 27 de Sep de 2012 - 16h20, atualizado às 16h55
Compartilhe
Foto: Divulgação
Peterson Oliveira Costa
É presbítero da Igreja Presbiteriana da 706 Sul, em Palmas
costapeterson@bol.com.br
Determinou Deus a Abraão: “Toma teu filho, teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; oferece-o ali em holocausto, sobre um dos montes, que eu te mostrarei”. Quem conhece bem esse momento da história sabe que Isaque era considerado o filho da promessa, ansiosamente esperado por Abrãao.

Quero apenas tratar da expressão dita por Abraão (versículo 08) - quando interpelado por Isaque acerca do cordeiro para o holocausto quando caminhavam para o local determinado: DEUS PROVERÁ.

Abraão é colocado à prova por Deus.

O Senhor pediu a ele justamente aquilo que simbolizava o amor, a misericórdia, a graça, a fidelidade, a promessa de Deus na vida do seu servo.

Abraão confiou em Deus. Em Hebreus 11: 17 a 19 diz: “Pela fé, Abraão, quando posto à prova, ofereceu Isaque; estava mesmo para sacrificar o seu unigênito aquele que acolheu alegremente as promessas; a quem se tinha dito: em Isaque será chamada a tua descendência; porque considerou que Deus era poderoso até para ressucitá-lo dentre os mortos, de onde também, figuradamente, o recobrou”.

Deus não permitiu a morte de Isaque. O Senhor não se compraz em sacrifícios humanos. Consta no versículo 11 de Genêsis 22 que bradou o Anjo do Senhor e impediu o a morte de Isaque. Deus havia providenciado um carneiro para ser sacrificado.

Repito: Abraão confiou em Deus. Ele já havia dito ao filho: “Deus proverá”.

Ele amava seu filho, todavia amava ainda mais o Senhor. Abraão tinha intimidade com Deus, conhecia mais do que qualquer outro sua fidelidade, amor e poder. Ele tinha consciência de que o Senhor agiria – de uma forma ou de outra. Ele não titubeou, não duvidou, não teve medo de cumprir as determinações divinas. Não buscou subterfúgios, não se escondeu, não deu desculpas, não tentou barganhar com Deus.

Ele simplesmente confiou em Deus.

É verdade, somente “DEUS PROVERÁ”.

Abraão certamente é um homem ultrapassado para os dias atuais. Hoje, cada vez mais e mais, as pessoas confiam no poder, no status, no dinheiro. Poucos desejam viver das promessas de Deus, da certeza-fé do amor dEle e da convicção de que Ele proverá em todas as situações e em todos os momentos.

As tragédias que acontecem na vida geralmente distanciam o homem de Deus. Porém muitos se esquecem que é preciso acreditar nas tragédias, pois se não fosse pela tragédia da Cruz de Cristo não haveria esperança para a humanidade. É certo que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, como se encontra registrado no livro de Romanos, por isso Abraão não desconfiou, acreditou, sabia da certeza da provisão de Deus.

Da expressão dita por Abrãao: DEUS PROVERÁ, ficam três lições para as nossas vidas:

1) Deus se agrada da nossa fé;

2) Sem fé é impossível agradar a Deus;

3) Quando não houver saída, confie; Deus proverá (sempre).

Em Cristo, que disse: “Vinde a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei” (Mateus 11:28).



 

Comentários

Redação: Palmas, Tocantins, Brasil, +55 (63) 9 9219.5340, +55 (63) 9 9216.9026, redacao@clebertoledo.com.br
2005 - 2017 © Cleber Toledo • Política com credibilidade
ArtemSite Agência Digital