CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Justiça decide que travesti presa na CPP de Araguaína deve ir para presídio feminino

Seciju já foi notificada da decisão que, conforme os termos, precisa ser cumprida imediatamente

0
Justiça decide que travesti presa na CPP de Araguaína deve ir para presídio feminino
5 (100%) 1 voto

A Justiça decidiu, no fim da tarde de sexta-feira, 8, que uma travesti presa temporariamente em Araguaína, no norte do Estado, deve ser levada para um presídio feminino. A decisão atende solicitação da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) por meio do Núcleo Aplicado de Defesa das Minorias e Ações Coletivas (Nuamac) de Araguaína. De acordo com o coordenador do referido Núcleo, defensor público Sandro Ferreira Dias, esta é a primeira decisão no Tocantins com esse entendimento.

A assistida da DPE foi presa temporariamente na quinta-feira, 7. Desde então, foi levada para a Casa de Prisão Provisória  de Araguaína (CPPA), presídio masculino. O local em que está custodiada foi identificado pela própria direção da unidade prisional como inadequado, conforme ofício que consta nos autos do processo.

O defensor público destaca que a Casa de Prisão Provisória de Araguaína não tem condição para receber uma travesti ou qualquer pessoa trans do gênero feminino. Por isso, houve a solicitação a fim de garantir os direitos da detenta. “Solicitei que ela fosse colocada na cadeia feminina, pois apresenta expressão física de mulher e personalidade feminina, sendo ilegal a sua manutenção em cadeia masculina, ainda que isolada dos homens,” esclareceu.

Ainda conforme Dias, o pedido cumpre a Lei de Execuções Penais e segue o precedente do Supremo Tribunal Federal (STF), que determina que as pessoas presas sejam tuteladas de acordo com suas condições pessoais, inclusive com autorização específica para prisão de travestis em unidade feminina.

“Perceba-se os riscos de colocar, em qualquer unidade masculina, uma pessoa que se apresenta fisicamente feminina, com personalidade feminina, sendo mulher em toda essência. Tamanha violação significa criar instabilidade no sistema prisional masculino e expor a pessoa trans ao risco de morte e violência, inclusive sexual”, alertou Sandro Ferreira, que teve a solicitação atendida pela Justiça.

Decisão
A determinação é que o Estado do Tocantins realize, imediatamente, a transferência da travesti para “estabelecimento prisional compatível com a sua respectiva orientação sexual”.

Na decisão, o juiz da 2ª Vara Criminal de Execução Penal da Comarca de Araguaína, Antonio Dantas de Oliveira Júnior, considerou a argumentação da Defensoria e também destacou: “Os direitos humanos precisam sair do papel e serem cumpridos, é que o discurso, por si só, é um natimorto”.

A Secretaria Estadual da Cidadania e Justiça (Seciju) já foi notificada da decisão que, conforme os termos, precisa ser cumprida imediatamente.

Entenda o caso
A prisão temporária da assistida ensejou, imediatamente, pedido da DPE-TO para providências a fim de garantir a integridade física e dignidade da pessoa humana, em suas condições individuais.

Por meio de ofício, o Nuamac Araguaína requereu a transferência da presa temporária para a unidade feminina mais próxima a Araguaína, que fica no município de Babaçulândia, em isolamento ou cela comum – desde que não haja constrangimento a nenhuma das detentas. Posteriormente, o pedido foi reiterado por meio de petição integrada ao processo.

Transferência
Por meio de nota, a Seciju afirma que a transexual Kellyta Rodrigues de Sousa, 29 anos, foi transferida para a unidade prisional feminina de Babaçulândia e que ela está alojada na unidade em uma cela individual.

Leia a íntegra da nota

“A Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) informa que a transexual, Kellyta Rodrigues de Sousa, 29 anos, foi transferida para a Unidade Prisional Feminina de Babaçulândia, após decisão do juiz da 2° Vara Criminal de Execução Penal da Comarca de Araguaína, Antônio Dantas de Oliveira Júnior, atendendo a solicitação do defensor público, Sandro Ferreira Dias. A reeducanda está alojada na unidade em uma cela individual”. (Com informações da ascom da DPE-TO e da Seciju)

_____________________
Atualizada às 14h22

 

.

Leia também
Receba notícias do CT em seu e-mail
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...