CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Mobilização no Cesamar alerta sobre a hanseníase; casos no TO subiram 42,7%

Mobilização no Cesamar alerta sobre a hanseníase; casos no TO subiram 42,7%
5 (100%) 2 votos

A área técnica da Secretaria de Estado da Saúde, juntamente com a Coordenação do Programa Municipal de Hanseníase de Palmas realizaram nesse domingo, 10, uma mobilização educativa no Parque Cesamar em combate à hanseníase. A mobilização contou com a distribuição de material informativo e vários profissionais da saúde disponíveis para ajudar a tirar as dúvidas das pessoas em relação à doença, além de um consultório móvel para diagnóstico.

O Tocantins é um Estado hiperendêmico. Em 2017 foram registrados 1.144 casos da doença, já em 2018 o número saltou para 1.632, uma alta de 42,7%. Dos mais de 1,6 mil casos, 116 eram de menores de 16 anos.

O evento faz parte do encerramento das atividades do Janeiro Roxo, que é um mês de alerta e combate à doença, onde os serviços de saúde realizam ações para alertar a população sobre os cuidados, formas de contágio e tratamento.

A Assessora Técnica da Hanseníase, Regina Maria Figueiredo Garcia Teixeira, explica que a hanseníase hoje é uma doença tratável, completamente curável. “A gente só precisa que a população venha até a unidade de saúde para o diagnóstico. A medicação é disponibilizada gratuitamente para a população, que se fizer o tratamento correto, fica completamente curado.”

Ela explica também que o diagnóstico é totalmente clinico, feito através de um exame dermatológico. “O paciente é avaliado dermato neurologicamente, ou seja, se olha os nervos, se olha a pele, os membros do paciente e baseado em alguma queixa que ele possa ter. Você não precisa de um exame para diagnosticar hanseníase, é totalmente clinico.

A servidora pública Maria Luiza Gomes, estava passeando no parque Cesamar e aproveitou para fazer uma avaliação. “Achei de suma importância essa ação da saúde, porque facilita para gente que trabalha o dia todo. Eu aproveitei para fazer uma avaliação junto com meu marido, só não se cuida quem não quer.”

Sobre a doença
A hanseníase (Lepra) é uma doença crônica, transmissível, de notificação compulsória e investigação obrigatória em todo território nacional. Possui como agente etiológico o Micobacterium leprae, bacilo que tem a capacidade de infectar grande número de indivíduos, e atinge principalmente a pele e os nervos periféricos, com capacidade de ocasionar lesões neurais, conferindo à doença um alto poder incapacitante, principal responsável pelo estigma e discriminação às pessoas acometidas pela doença.

Os principais sinais e sintomas da doença são:
Manchas esbranquiçadas (hipocrômicas) ou eritematosas, lesões infiltradas e avermelhadas, diminuição ou perda de sensibilidade (a pessoa pode sentir formigamentos e/ou choques e/ou câimbras que evoluem para dormência – se queima ou machuca sem perceber);

Infiltrações e nódulos principalmente na face e pavilhões auricular, diminuição ou queda de pelos, localizada ou difusa, especialmente sobrancelhas e cílios; Falta ou ausência de sudorese no local da mancha, pele e olhos ressecados, obstrução nasal, dentre outros. (Com informações da assessoria).


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também