CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Por que se fala tanto em Vitamina D?

0
Por que se fala tanto em Vitamina D?
avaliar matéria

A vitamina D, como a chamamos, na verdade é a vitamina D3 ou colecalciferol, ou seja, a parte que realmente é necessária à manutenção do equilíbrio de funções importantíssimas do nosso organismo.

Afinal quais são estas funções? A vitamina D participa da atividade de órgãos como o coração, cérebro, tireoide, pâncreas, sistema imunológico e a pele, incluindo cabelos e unhas. Além de manter os níveis de cálcio e fósforo no sangue, contribuindo para que nossos ossos sejam resistentes ao longo da vida.

Uma pequena parte da vitamina D, aproximadamente 10% pode ser produzida em nosso organismo através dos alimentos, como óleos de peixe (óleo de fígado de bacalhau, um dos mais conhecidos), salmão, atum, sardinha, leite e derivados e gema de ovo.

Porém, a maior parte da vitamina D que produzimos é através da pele quando estamos sob ação da luz do sol, exatamente do raio ultravioleta do tipo B. Ou seja, a forma mais fácil de produzir vitamina D é gratuita, basta ficarmos expostos entre 10 a 15 minutos ao sol durante o dia. Pode ser numa caminhada, praticando esporte, indo à feira, voltando da escola ou deitado na rede, tanto faz.

A pele sob a luz do sol consegue produzir 90% da vitamina D que precisamos.

Pelo local que moramos, esta tarefa é fácil, e podemos manter o uso do protetor solar, pois a pele de todo corpo produz a vitamina D, não só o rosto.

A hipovitaminose D(vitamina D em baixos níveis no sangue) tem se tornado cada vez mais frequente, tanto em crianças, como em jovens e adultos.

Quando isso acontece, a alimentação e a exposição ao sol não conseguem compensar de maneira eficaz, necessitando de acompanhamento com profissional de saúde, médicos, nutricionistas e tomar vitamina D.

A reposição correta de vitamina D não é uma regra simples, segundo a Socidade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, em publicação científica de 2017, os valores ideais variam com a idade, gestação e doenças adquiridas ao longo da vida.

Não é necessário termos algum sintoma para estarmos com níveis baixos de vitamina D. Portanto, informe-se, procure atendimento adequado, realize os exames realmente necessários.

Contudo, faça diariamente o que há de mais simples, exponha-se ao sol por 10 a 15 minutos para sintetizar a vitamina D, pois a pele é sua maior aliada.


BÁRBARA PAIXÃO DE GOIS FAYAD
Graduada em Nutrição pela Universidade Federal do Tocantins
Pós Graduata em Fitoterápicos Aplicados a Estética e Prática Esportiva pela Faculdade Unyleya

MIGUEL AVILA
É dermatologista, graduado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com residência em dermatologia na Santa Casa de Porto Alegre. É pós-graduado em Dermatocosmiatria na Faculdade de Medicina do ABC e membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia
contato@clinicamiguelavila.com.br

Leia também
Receba notícias do CT em seu e-mail
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...