CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

BOM DIA – Ponte de Porto, exemplo da total falta de planejamento do TO

BOM DIA – Ponte de Porto, exemplo da total falta de planejamento do TO
5 (100%) 2 votos

O fato de que, desde 2011, o governo do Tocantins sabe que a estrutura da Ponte de Porto Nacional está comprometida fala muito sobre o modelo de gestão dos últimos anos que nos enfiou no buraco fiscal em que nos encontramos. Claro que não há uma relação direta da travessia com a situação fiscal do Tocantins, mas é um exemplo da falta de planejamento que imperou nesses anos todos, e essa sim — a falta de planejamento — tem total conexão com nossa crise.

O Estado precisa mesmo assumir a sua culpa pela falta de definição do problema e subsidiar mesmo a travessia por balsa, como já estuda. Não é justo que a população pague por esta conta da irresponsabilidade e da falta de planejamento do Poder Público

CLEBER TOLEDO É jornalista e editor do CT

A preocupação que marcou as gestões do Estado dos últimos anos foi única: se manter no Poder. Dessa forma, as mexidas nas peças visaram sempre o curto prazo. Havia uma eleição a ser ganha, assim, o governante de plantão precisava afagar os brios de servidores, com benefícios trabalhistas totalmente desconectados do mundo real; alugar imóveis de líderes estratégicos para a difícil arte de cabular votos, pagar empresas doadoras de campanha, afinal, se não recebessem não haveria dinheiro para as eleições, seja em caixa 1 ou 2.

Até quando o erário suportaria as prioridades eleitorais, o crescimento da demanda por serviços públicos, o que também exigiria mais concursos porque seriam necessários mais servidores para dar conta desse incremento de cidadãos em busca de atendimento; a necessidade de investimentos para aparelhar as Polícias e a saúde e manter as rodovias em condições de trafegabilidade, nada disso esteve nos planos de quem governou o Tocantins nos últimos 15 anos. Só uma coisa importava: ganhar as eleições e se manter no poder.

É nesse contexto que a coluna enxerga o debate sobre a Ponte de Porto Nacional. Estratégica para a economia do Estado, já que é via de escoamento da produção, a recuperação dessa travessia ou a construção de uma nova estrutura deveria ter sido prioridade quando os primeiros laudos já apontavam os problemas que passaram a assombrar a todos.

A falta de condições da ponte de suportar cargas acima de 30 toneladas tumultuou a vida de Palmas, já que os caminhões vindos do sudeste e do sul da Bahia com destino à Ferrovia Norte-Sul não podiam mais atravessá-la em direção a Luzimangues. Assim, seguiam pela BR-010 e entravam na Capital pela LO-05, passando pela Feira da 304 Sul e em frente ao Hospital Geral de Palmas (HGP). Daí a necessidade de acelerar as obras da NS-15 para tentar minimizar esse problema, mas, sem recursos, por conta de seu caos fiscal, o Estado não dá conta de concluir esse empreendimento.

Sobre a polêmica em si, de interditar ou não a ponte, as razões do prefeito de Porto, Joaquim Maia (PV), e de sua comunidade são justas. Afinal, o isolamento de mais de mil famílias que estão na outra margem do Rio Tocantins é um grave obstáculo para o município garantir a elas o atendimento necessário e até para que possam ter acesso rápido ao sistema de saúde, por exemplo. Além disso, é verdade que resultará em graves prejuízos econômicos, já que o município é pólo comercial e ainda elo da região central do Estado com a capital.

No entanto, é fortíssima a única razão apresentada pelo governador Mauro Carlesse (PHS): salvar vidas. Se essa ponte cai, matando pessoas, é ele quem será acusado de omissão. Não é possível continuar arriscando. O argumento de que não haveria um parecer técnico definitivo não é razoável. É justamente o contrário: a ponte só pode ser liberada caso um laudo ateste a sua segurança. Não se pode definir a interdição após essa manifestação técnica.

De outro lado, o Estado precisa mesmo assumir a sua culpa pela falta de definição do problema e subsidiar mesmo a travessia por balsa, como já estuda. Não é justo que a população pague por esta conta da irresponsabilidade e da falta de planejamento do Poder Público. O governo Carlesse não pode alegar que não tem culpa, o que é verdade, não é essa questão. Mas a responsabilidade é do Estado e não de fulanos que estiveram ou estão no Poder.

Em outra frente, os governos estadual e federal e o Poder Judiciário precisam desembaraçar com agilidade o processo de construção da nova ponte, amarrado em dois entraves: o desenquadramento do Estado à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e os questionamentos legais da licitação dessa obra.

Não dá mais para brincar de gestão e prejudicar a vida das pessoas. O Tocantins tem que profissionalizar seu planejamento, ou os custos sociais e econômicos a médio prazo inviabilizarão um Estado que tem tudo para dar certo.

CT, Palmas, 12 de fevereiro de 2019.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também