CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Estudantes de Araguaína recebem certificados durante evento cultural de Capoeira

A dona de casa Sâmua Soares acompanha de perto o desenvolvimento do seu filho Kaleb, que há dois meses pratica as aulas de capoeira oferecidas pelo Instituto Internacional de Capoeira, Artes e Cultura, em parceria com a Prefeitura de Araguaína. Kaleb foi diagnosticado com hemiparesia, uma paralisia do lado esquerdo do corpo.
 
“O neurologista orientou que ele praticasse um esporte para melhorar a condição de saúde e eu já tenho percebido benefícios principalmente no equilíbrio, pois a ginga auxilia muito”, contou Sâmua.
 
Kaleb fez parte do grupo de 80 alunos da APAE, UMA (Universidade da Maturidade), CRAS (Centro de Referência em Assistência Social) e da Escola Militar Jorge Humberto Camargo, que receberam o certificado, conhecido como batizado, durante o III Tocantins Cultural de Capoeira, realizado no último dia 27, no auditório da Escola de Tempo Integral, no Setor Nova Araguaína.
 
O evento contou ainda com apresentações artísticas da Reciclarte, UMA e rodas de capoeira, além da presença dos servidores, secretários e mestres da capoeira. A secretária da Educação de Araguaína, Elizângela Moura, e o prefeito Wagner Rodrigues receberam o certificado Doutor Honoris Causa. A secretária ainda reconheceu a importância das práticas do esporte e agradeceu pelo trabalho desenvolvido junto aos jovens.
 
“Como sabemos, a capoeira faz parte da nossa identidade cultural, é uma forte expressão da cultura brasileira, é também uma arte-marcial, afro-brasileira, além disso é reconhecida e praticada mundialmente. Ser homenageada pelos seus praticantes, pela Academia Brasileira de Capoeira, foi uma grande honra, pois como educadora vejo a grande contribuição que a capoeira dá às nossas crianças e jovens, tirando-os do mundo da marginalidade”, afirmou a secretária.

Vidas transformadas

Elcimar Pessoa, mais conhecido como Mestre Pessoa, há 25 anos oferece aulas de capoeira por meio do Instituto, em escolas, CRAS e recentemente a UMA. “Por meio do esporte lidamos com várias realidades, de crianças em vulnerabilidade social a idosos e vi pessoas recuperarem as energias, tanto física, como mental e melhorarem a flexibilidade e mobilidade do corpo. É emocionante salvar vidas por meio da capoeira”, contou Pessoa.
 
O esporte é inclusivo e também tem alegrado os dias do aposentado Antônio Reis. A deficiência visual não é empecilho para ele se divertir nas rodas de capoeira. “Comecei porque eu gosto de dançar, acho a capoeira animada e o professor sempre prestativo me conduz para que eu faça os movimentos”, contou. (Da assessoria de imprensa)


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também