CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

TRE aprova contas de Kátia Abreu da eleição suplementar e rejeita ação que pedia a perda do cargo de vereador de Wagner Enoque

0
TRE aprova contas de Kátia Abreu da eleição suplementar e rejeita ação que pedia a perda do cargo de vereador de Wagner Enoque
avaliar matéria

A senadora Kátia Abreu (PDT) teve as contas de campanha da eleição suplementar aprovadas na segunda-feira, 30, pelo Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Na mesma sessão, os juízes e desembargadores rejeitaram ação que pedia a perda do mandato do vereador araguainense Wagner Enoque (PTB).

Quarta colocada na eleição suplementar para governador, Kátia Abreu foi a candidata que teve a segunda campanha mais cara. R$ 4.845.928,43 foram gastos pela pedetista. Por outro lado, a senadora liderou na relação gasto por voto. Cada um dos 90.033 eleitores lhe custou R$ 46,42.

Kátia Abreu teve a segunda campanha mais cara da eleição suplementar (Foto: Divulgação)

A prestação de contas da senadora foi aprovada sob a relatoria do juiz Agenor Alexandre. Ainda na sessão, o TRE do Tocantins aprovou as contas do Partido Republicano Brasileiro (PRB).

Pedido de perda de mandato
O Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins também decidiu julgar improcedente o pedido de decretação de perda do cargo eletivo, por infidelidade partidária, interposto por Alcides Correia Guimarães (PRB), primeiro suplente de vereador, em Araguaína, em face Wagner Enoque de Souza, vereador eleito pela mesma agremiação.

Alcides Correia alegou que Wagner Enoque de Souza, eleito pelo PRB, nas eleições de 2016, deixou o partido de origem no dia 27 de abril de 2018, filiando-se ao PTB, sem a ocorrência de quaisquer das causas autorizadoras, em decorrência de desfiliação partidária sem justa causa.

Em sua contestação, Wagner Enoque de Souza alegou que o termo de anuência de desfiliação partidária por parte do diretório nacional do PRB, juntada à contestação, lhe dava à desfiliação por justa causa.

A Procuradoria Regional Eleitoral também se manifestou pela improcedência do pedido, pois a anuência do diretório nacional ao pedido de desfiliação em virtude de animosidades partidárias e reconhecida incompatibilidade política, pragmática e ideológica confirmariam a justa causa.

Leia também
Receba notícias do CT em seu e-mail
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...