CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Eduardo exalta participação de todos na construção do Tocantins e diz que Siqueira “não nasceu para ser ponto de convergência, mas de transformação”

Filho que acompanhou a carreira política do criador do Tocantins, Siqueira Campos, o ex-senador e ex-prefeito de Palmas, Eduardo Siqueira Campos, chegou ao velório do pai no Palácio Araguaia por volta das 9h20 desta quarta-feira, 5, momento em que a presença popular era forte e já formava uma extensa fila para dar o último adeus ao maior líder tocantinense. Autoridades e políticos também já lotaram o salão de entrada.

ESTA HISTÓRIA NÃO É DE UMA PESSOA

Emocionado, Eduardo Siqueira Campos reservou um tempo para falar com a imprensa. Apesar de todo reconhecimento dado ao pai pela criação do Estado, o político fez questão de destacar a participação de todos. “As pessoas costumam dizer que são gratas a ele. E ele me pedia: ‘inverta e diga: sem eles, não haveria o show, o baile’. Não existe um ator principal, mas construção de uma peça, a narrativa de uma história. Esta história não é de uma pessoa. Ele apenas portou esta bandeira por um tempo, tomou uma decisão abrupta por optar por Palmas .Teve um enterro público por isto”, afirmou.

PONTO DE TRANSFORMAÇÃO

O ex-senador seguiu com este raciocínio, valorizando até os opositores históricos. “Digo sempre, quem o apoiou, ajudou a chegar; quem o combateu, ajudou a melhorar. Então o sentimento é igual. Meu respeito é imenso por todas as discordâncias. Ele [Siqueira Campos] não nasceu para ser ponto de convergência, nasceu para ser ponto de transformação”, destacou Eduardo, que também exaltou o Palácio Araguaia, o primeiro prédio público do Tocantins. “Esta construção, talvez muitos não tenham tido o tempo para olhar cada azulejo assentado, que teve uma palavra dele, uma razão de ser”, afirmou.

PEDI QUE NÃO O MATASSEM ANTES DA HORA

Eduardo disse que nunca se preparou ou esteve preparado para falar sobre a morte do pai. “Esqueçam! Aqui está só o filho, só o sentimento”, admitiu. O político agradeceu ao “carinho” e “respeito” dos veículos, e criticou duramente a propagação de notícias falsas. “Pedi às pessoas que optassem pela verdade, que não o matassem antes da hora”, disse o político emocionado, lamentando um episódio de uma informação inverídica que recebeu mais de 20 mil cliques.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também