CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Gaguim é o relator da PEC do Orçamento Impositivo, novo capítulo da briga entre governo Bolsonaro e Congresso

Gaguim é o relator da PEC do Orçamento Impositivo, novo capítulo da briga entre governo Bolsonaro e Congresso
5 (100%) 2 votos

Em novo capítulo do embate entre governo Jair Bolsonaro e Congresso Nacional, a Câmara dos Deputados aprovou em dois turnos, na noite dessa terça-feira, 26, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Orçamento Impositivo. Com isso, o governo federal é obrigado a liberar a verba de emendas parlamentares para ações previstas no Orçamento para a execução das emendas coletivas de bancada. A proposta, que tem como relator o deputado tocantinense Carlos Gaguim (DEM), segue para o Senado.

As chamadas emendas de bancada são as que são apresentadas por deputados e senadores de cada Estado, com o objeto de ações específicas naquela unidade da Federação. 

Atualmente, já é impositivo o total das emendas individuais dos parlamentares, sendo que metade do valor deve ser aplicado em saúde. O valor está sujeito ao teto dos gastos aprovado em 2016.

A proposta para ampliar o orçamento impositivo, de autoria do deputado Hélio Leite (DEM-PA), precisava ser votadas em dois turnos na Câmara, e ambos ocorreram na noite dessa terça. Em primeiro turno, a PEC foi aprovada por 448 a 3. No segundo turno, a aprovação teve um placar de 453 a 6.

Conforme a Folha de S.Paulo, a matéria foi apresentada em 2015 e estava parada. O relator, Carlos Gaguim, segundo o jornal paulista, nem sabia da possibilidade de a proposta ser ressuscitada.

R$ 340 mi/ano ao Tocantins
Em suas páginas nas redes sociais, Gaguim comemorou a decisão: “Quem ganha são os Estados, especialmente o Tocantins, e a população”.

Para o parlamentar, a obrigatoriedade de execução das emendas coletivas tem como objetivo último “reestabelecer o equilíbrio entre os Poderes na definição das políticas públicas, além de assegurar mais 340 milhões/ano para o Tocantins”. Gaguim defendeu ainda que tem como objetivo destinar 50% do valor total aos 139 municípios tocantinenses, podendo chegar a R$ 2 milhões para cada um. “Vamos trabalhar para que esses recursos cheguem aos municípios”, avisou. (Com informações da Agência Brasil)


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também