CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Juiz determina que Janad conceda 140 dias de licença ao vereador Júnior Brasão

O juiz da 2ª Vara da Fazenda e Registros Públicos de Palmas, José Maria Lima, determinou no final da tarde desta segunda-feira, 29, que a presidente da Câmara, Janad Valcari (Podemos), conceda os 140 dias de licença ao vereador Júnior Brasão (PSB). 

Não vê empecilho 

O magistrado diz na decisão que não viu nenhuma restrição legal ao pedido e que há perigo de dano e de resultado útil caso a liminar não fosse concedida. “Pois a concessão da licença possui o escopo primordial de possibilitar o impetrante atender as necessidades do Partido Político que faz parte. Logo, a demora na finalização do processo poderá inviabilizar tal objetivo devido a proximidade das eleições de 2022”, pontuou o Lima.

Só em 2021

Brazão solicitou 140 dias a partir do dia 15 de setembro, sendo 91 deles na atual sessão legislativa e o restante no período subsequente (2022). A Câmara atendeu apenas o primeiro período. 

Outra luta

Com a licença de Brasão, o PSB quer dar oportunidade para que o coletivo Somos assuma a vaga. De toda forma, a presidente da Câmara de Palmas, Janad Valcari, defende que o Regimento Interno do Legislativo não prevê a convocação de suplente por interesse particular, o que é o caso. Assim, outra luta está começando.

Agora pode cumprir missão do partido

Através da assessoria do PSB, o vereador Brasão se disse “muito satisfeito” com a decisão porque agora pode se dedicar a cumprir a missão que partido lhe deu “sem se envergonhar de estar recebendo o salário enquanto viaja”. Segundo ele, por essa razão, só estava realizando as viagens partidárias nos finais de semana, para não atrapalhar seu trabalho legislativo. “Agora posso cumprir, efetivamente, o que partido me incumbiu de fazer de organização no interior do Estado”, disse o parlamentar, via assessoria.

Cria-se uma jurisprudência 

Já o presidente regional do PSB, Carlos Amastha, afirmou à Coluna do CT que “é muito bom saber que a Justiça deu esse direito”. “Era uma luta nossa de não permitir que suplente assumisse e o contribuinte pagasse dois salários, o que não é justo, nem digno. Com certeza, todos os vereadores vão sentir um alívio com essa decisão e vão seguir o mesmo caminho, sem ter que recorrer mais ao Judiciário porque já existe uma jurisprudência, e mais do que certa: o parlamentar se afastar, o suplente assumir. Não tem que inventar doença para fazer um serviço extraordinário enquanto seu suplente fica na Câmara”, defendeu Amastha.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também