CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Wanderlei nega antecipar disputa de 2022 e diz que sua participação na eleição da mesa da Câmara de Palmas foi “uma coisa muito suave”

O vice-governador Wanderlei Barbosa (sem partido) negou qualquer forma de afastamento do senador Eduardo Gomes (MDB) e garantiu: “Não vai ter briga”. Ele comentou o editorial Tempo Real, desta quarta-feira, 30 — Será o início do afastamento entre Wanderlei Barbosa e Eduardo Gomes? —, que levanta a possibilidade de a participação de Wanderlei na eleição da mesa diretora da Câmara de Palmas, em favor da oposição à prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB), ser uma antecipação das disputas eleitorais de 2022. “Não é antecipar as eleições, que tem o seu devido tempo”, assegurou o vice-governador.

Uma coisa muito suave

Segundo ele, sua participação na articulação em torno da candidatura da vereadora Janad Valcari (Podemos), escolhida pela oposição para disputar a presidência da Câmara da Capital, foi “uma coisa muito suave”. “Não me desloquei atrás de voto”, ressaltou Wanderlei, que disse ter conversado algumas vezes com o grupo e recebido os vereadores em seu gabinete no Palácio Araguaia.

Com Rogério Freitas

Ele contou também ter conversado, a pedido do deputado estadual Ivory de Lira (PCdoB), com o vereador Rogério Freitas (MDB), candidato de Cinthia a presidente da Câmara, e disse a ele que seu projeto para o Legislativo da Capital era “muito bom”.

Quem ganhar vai ajudar Cinthia

Além disso, o vice-governador disse acreditar que quem quer que ganhe a eleição da mesa na sexta-feira, 1º, “não vai trabalhar contra Cinthia, mas ajudá-la”. Ele também lembrou que Janad é candidata do partido do prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas, presidente regional do Podemos e aliado de primeira hora de Eduardo Gomes.

Sem discórdia

Wanderlei ressaltou, sobre 2022, que nem sabe se vai mesmo assumir o governo do Tocantins, uma vez que isso depende da renúncia do governador Mauro Carlesse (DEM). “Só serei candidato se o Carlesse renunciar, aí, claro, que vou, sim, construir um projeto”, admitiu. “Fui cinco vezes vereador, subi degrau por degrau, e estou pronto para qualquer projeto que a legislação me permitir. Mas quero construir isso sem divergências, sem criar discórdias e brigas, mas um projeto de junção, de grupo”, avisou.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também