CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

BOM DIA – O PreviPalmas virou o Igeprev dos tempos sombrios

0
BOM DIA – O PreviPalmas virou o Igeprev dos tempos sombrios
5 (100%) 3 votos

A exoneração do diretor de Investimento do Instituto de Previdência Social do Município de Palmas (PreviPalmas), Fábio Martins Costa, desnudou de vez a trágica situação do órgão criado para garantir a aposentadoria dos servidores do município. É difícil crer que um diretor sozinho, por sua conta, liberou investimentos de R$ 50 milhões em fundos de risco, aqueles mesmos que deram prejuízos que chegam a R$ 1 bilhão para o Instituto de Gestão Previdenciária do Estado (Igeprev).

Na verdade, o ex-diretor tem a obrigação de vir a público e dar a sua versão. O CT está ansioso e curioso para ouvi-lo. Ou fala, ou carrega sozinho a cruz, saindo da história como o único vilão. É isso? Queremos muito conversar com sr. Fábio Martins Costa.

Amastha garantiu ao CT que não fazia investimentos do fundo que não fossem junto à Caixa e Banco do Brasil, extremamente seguros. Parece que mudou de ideia

Cleber Toledo É jornalista e editor do CT


De toda forma, o PreviPalmas vive hoje os dramas terríveis que o Igeprev enfrentou há quatro anos. Os mesmos personagens maléficos, conseguindo convencer um fundo de previdência próprio — sabe-se lá com quais atrativos — a aplicar milhões de reais de forma absurda e desnecessariamente arriscada.

A afirmação do prefeito Carlos Amastha (PSB) no vídeo publicado no Facebook de que os servidores do municípios podem ficar “tranquilos” simplesmente não convence. O funcionalismo municipal tem motivos de sobra para não dormir. Vejam: ao mesmo tempo que Amastha diz que o “dinheiro não corre risco nenhum”, também fala que:

1. Está tomando “todas as medidas para que esse dinheiro volte para Palmas”. Hum? Não é só pedir? Não é só sacar? Não é só fazer uma transferência bancária simples?

2. Que o secretário de Finanças, Christian Zini, e o procurador-geral do município, Públio Borges, estão em São Paulo para “uma série de reuniões” com os investidores para “cumprimento da determinação do prefeito” de reaver o dinheiro. Se está tudo tão garantido, por que uma série de reuniões?

3. Que “não acontecendo [vitória nas negociações], procederemos judicialmente”. Como “judicialmente”? Afinal, não está tudo tranquilo?

Ou seja, não há nenhuma garantia de que o servidor veja novamente os R$ 30 milhões, fora outros R$ 20 milhões que seguem pelo mesmo ralo dos fundos de altíssimos riscos, na mão dos mesmos lixos que deram prejuízo já quase bilionário ao Igeprev.

O especialista em mercado financeiro ouvido pelo CT é o grande responsável por essas irregularidades virem a público. Ele levantou todas as informações técnicas junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), ao Ministério da Previdência Social e outros órgãos. Deu tudo mastigado à imprensa do Estado. Foi o nosso “garganta profunda”, a fonte misteriosa do jornal Washington Post que revelou todo o Caso Watergate, escândalo que derrubou o presidente americano Richard Nixon nos anos 1970. A orientação dele também teve o mesmo sentido do “garganta profunda” dos Estados Unidos: sigam o rastro do dinheiro. Essa fonte que conhece tudo do mercado financeiro garante que os servidores de Palmas podem esquecer os R$ 30 milhões.

Como o “garganta profunda” palmense explicou ao CT, o Regulamento do Fundo de Investimento em Participações (FIP) Cais Mauá do Brasil Infraestutura, em seu artigo terceiro, prevê que o prazo de retenção dos investimentos é de 144 meses (12 anos), podendo ser prorrogado por igual período. Ou seja, esses R$ 30 milhões do PreviPalmas podem ficar retidos por 24 anos, e só ao final desse período o fundo dos servidores de Palmas saberá se houve lucro ou prejuízo.

Então, ficar tranquilo? Como? É melhor não dormir um segundo, ir para cima da gestão da Capital e cobrar.

Em meio à queda de braço com procurador do município Antônio Chrysippo de Aguiar, que o prefeito não  queria de forma alguma no Conselho do PreviPalmas, Amastha garantiu ao CT que não fazia investimentos do fundo que não fossem junto à Caixa e Banco do Brasil, extremamente seguros. Parece que mudou de ideia. Como observou o “garganta profunda” sobre a aplicação da Tercon, que recebeu os R$ 20 milhões do PreviPalmas, “tiraram de um fundo da Caixa Econômica Federal com 770 regimes próprios de previdência e aplicaram em um que só tem um, o próprio PreviPalmas”.

Qual a lógica disso? Fariam isso se os recursos fossem deles?

Esta é uma história que só está começando. Vem muitos capítulos por aí.

Aguardemos. E, servidores municipais, orem muito.

CT, Palmas, 13 de março de 2018.

Leia também
Receba notícias do CT em seu e-mail
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...