CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

BOM DIA – A superação do desemprego passa pelas reformas da Previdência e tributária

BOM DIA – A superação do desemprego passa pelas reformas da Previdência e tributária
5 (100%) 10 votos

No Dia Internacional do Trabalho, o Brasil se abate com a informação de que o desemprego foi a 12,7% no primeiro trimestre, atingindo 13,4 milhões de pessoas. Enquanto isso, vemos de um lado parte importante do governo Bolsonaro, pai e filhos focados numa cruzada ideológica estúpida e, de outro, sindicatos de servidores de elite com uma campanha para disseminar a tese de que a reforma da Previdência tira direitos. Claro, direito deles de continuarem se aposentado cedo e com salários surreais.

Para piorar, enfrentamos terríveis déficits da Previdência Social, que consomem bilhões. Um sistema que garante privilégios apenas a servidores de elite, que hoje se desesperam e gritam contra a perda do 'direito' deles de terem uma vida nórdica bancada pelo pobre contribuinte brasileiro

CLEBER TOLEDO É jornalista e editor do CT

Pior ainda é ver o PT querendo terceirizar uma crise que ele pariu, com governos irresponsáveis e populistas. Criou artificialmente a sensação de que estava superando desigualdades históricas, a toque de mágica, pela “bondade” e carisma de seu líder. No entanto, quando o ciclo virtuoso da economia mundial passou, com a crise de 2008, e a China desaqueceu, os petistas insistiram que a bonança que privilegiava o Brasil não se devia à conjuntura mundial e a um país organizado entregue por Fernando Henrique Cardoso (moeda estável, inflação em patamares civilizados, privatizações feitas e sistema financeiro saneado, conquistas que tiveram, inclusive, que enfrentar a oposição do PT). Na verdade relativa desses populistas, a burguesia não queria que o pobre usasse avião, então, jogou o País na maior crise da história. É risível.

Um dos nossos maiores problemas para superar as desigualdades e para gerar empregos com salários mais dignos é a nossa cultura regada por governos populistas e pela disseminação do pensamento esquerdista de que o Poder Público é capaz de tudo. Essa é a raiz de nossos males. A partir dessa mentalidade, criamos um Estado altamente intervencionista, caro e, pior, esses predicados são assegurados por uma Constituição sem qualquer lastro com a realidade de um país que se debate para tentar se desenvolver.

É nessa esteira utópica que vem o emaranhado de direitos trabalhistas, que garantem salários irrisórios e contribuem para a nossa baixa produtividade, ao lado de uma educação de quinta categoria, e com a falta de perspectivas.

Para piorar, enfrentamos terríveis déficits da Previdência Social, que consomem bilhões que deveriam ser canalizados para saúde, educação, infraestrutura e segurança. Um sistema que garante privilégios apenas a servidores de elite, que hoje se desesperam e gritam contra a perda do “direito” deles de terem uma vida nórdica bancada pelo pobre contribuinte brasileiro. Se o projeto da reforma precisa de ajustes para garantir condições mínimas de vida para deficientes e trabalhadores rurais, que seja alterada. Agora, na essência, todos os especialistas mais renomados são unânimes de que a reforma é justa e necessária.

Sem ela não haverá atração de investimentos internos e externos. O governo Temer conseguiu dar um passo importante para nos tirar da crise em que nos meteu o PT ao flexibilizar a retrógrada legislação trabalhista que impede justamente a geração de empregos. No entanto, ao se afundar na crise moral, o ex-presidente não teve forças para fazer a reforma da Previdência, e todo o esforço de sua qualificada equipe econômica, que desviou o Brasil da rota do abismo, não foi o suficiente para o salto que nos levaria para a criação de postos de trabalho.

Assim, os protestos que ocorrem nesta quarta-feira, 1º, de feriado do Dia Internacional do Trabalho, é daqueles que querem manter os privilégios de ter altíssimos salários e se aposentar em torno de 50 anos, vivendo por outros 25 ou 30 anos às custas do suor das demais parcelas não privilegiadas da sociedade.

Precisamos gerar a conscientização em toda a nossa população de que, sem as reformas — primeiro da Previdência e depois a tributária —, não há a mínima condição de o Brasil se desenvolver, e o desenvolvimento é o único caminho efetivo para superarmos nossas históricas e lamentáveis desigualdades sociais.

O resto é falácia e populismo barato, de oportunistas que usam do discurso fácil para se esbaldar no Poder, como assistimos por 13 anos.

CT, Palmas, 1º de maio de 2019.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também