CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

MP junto ao TCE emite parecer pela ilegalidade da concorrência e contratação da Palmas Estacionamento

MP junto ao TCE emite parecer pela ilegalidade da concorrência e contratação da Palmas Estacionamento
4.9 (98%) 10 votos

O Ministério Público de Contas (MPC) concluiu pela ilegalidade e irregularidade do edital de concorrência, do termo aditivo de re-ratificação e do contrato de concessão firmado pela Prefeitura da Capital com a Infosolo Informática Ltda., que hoje se chama Palmas Estacionamento Ltda. Com isso, o procurador-geral de Contas, Zailon Miranda Labre Rodrigues, opinou em seu parecer desta quinta-feira, 9, pela manutenção do acórdão do Tribunal de Contas do Estado (TCE-TO) que julgou o processo de contratação do serviço pelo município “ilegal e irregular desde o procedimento licitatório”.

Para o procurado-geral de Contas, há prática de ato ilegal consistente em cláusula restritiva no edital de concorrência no 001/2014, por violação ao princípio constitucional da igualdade e da vedação a existência de cláusulas restritivas da competitividade, o que, afirmou, acarreta a ilegalidade da licitação e dos atos consequentes.

— Confira tudo o que foi publicado pelo CT sobre o estacionamento rotativo de Palmas

Além disso, quanto à execução do contrato de concessão, Labre Rodrigues opinou que o conjunto de provas “é farto em convergir para a ilegalidade” e para a “caducidade da concessão pela ocorrência de inexecução do contrato, de modo que deve ser, assim, extinta”. “Resultou comprovada a prestação do serviço em verdadeiro descompasso com as determinações editalícias, contratuais e legais, além da paralisação injustificada da prestação do serviço público pela concessionária”, manifestou o procurador-geral de Contas em seu parecer.

Ele também apontou o dano ao erário, segundo afirmou, já identificado na Tomada de Contas Especial deflagrada pelo próprio município no valor de R$ 1.631.225,24, “de responsabilidade da concessionária”.

Por fim, o procurador-geral de Contas considerou que, “aparentemente, tem-se a retomada dos serviços à revelia do Ente Concedente”, ao se referir ao reinício da operação do estacionamento na segunda-feira, 6. “Pois que não há qualquer documento hábil a demonstrar que a determinação do município pela paralisação da execução do Contrato de Concessão no 211/2014 tenha sido retirada”, concluiu Labre Rodrigues.

A Palmas Estacionamento afirmou ter retomado os trabalhos com base numa liminar concedida pelo desembargador Ronaldo Eurípedes, do Tribunal de Justiça, ainda em fevereiro.

Na terça-feira, 7, em nota, o TCE afirmou que o corpo especial de auditores, formado por conselheiros substitutos, emitiu parecer também negando provimento ao recurso da Palmas Estacionamento contra a decisão que julgou o processo de contratação do serviço “ilegal e irregular desde o procedimento licitatório”.

O processo agora vai ao relator da matéria no TCE, conselheiro Manoel Pires dos Santos, que emitirá seu voto.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também