CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Mesmo sem presidência no TO, Carlesse aceita convite do DEM e será um dos 15 vices nacionais

Governador Mauro Carlesse, que se filia ao DEM nesta quinta-feira (Foto: Antônio Gonçalves/Secom TO)
Mesmo sem presidência no TO, Carlesse aceita convite do DEM e será um dos 15 vices nacionais
5 (100%) 10 votos

Coluna do CT

Um dos 15

A executiva nacional do Democratas (DEM) convenceu o governador Mauro Carlesse (PHS) e ele vai se filiar ao partido. No entanto, não será presidente regional como chegou a exigir, mas ficará com uma das 15 vagas de vice-presidente nacional da sigla, ao lado de estrelas do DEM como o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (AP), e o ex-ministro da Educação (governo Temer) Mendonça Filho. Assim, como a coluna havia antecipado, a deputada federal Dorinha Seabra Rezende venceu a queda-de-braços e continuará no comando do Democratas no Tocantins.

Nesta quinta-feira

Conforme a assessoria do governador, ele assinará a ficha de filiação nesta quinta-feira, 30, durante a convenção nacional do partido em Brasília. Também de acordo com a assessoria, a ida de Carlesse para o DEM é resultado de convite do presidente nacional da sigla e prefeito de Salvador, Antônio Carlos Magalhães Neto (ACM Neto), e dos deputados federais Carlos Gaguim e Dorinha.

Gaguim abriu mão, Dorinha, não

O principal articulador da filiação de Carlesse foi Gaguim. Ele a considera estratégica para o crescimento do partido no Estado, já que o governador chegará ao DEM com vários prefeitos juntos. No entanto, havia a imposição de Carlesse, que queria a presidência regional. Gaguim abriu mão, já que, segundo ele, haveria um acordo com Dorinha para que ambos se revezassem no comando do partido nos próximos anos, o que a parlamentar negou em nota à coluna há duas semanas.

A quem interessar possa

De toda forma, Dorinha enfrentou a pressão para abrir a presidência para o filiado em potencial. Em nota à coluna chegou a negar qualquer reunião — o que se dizia há cerca de dez dias que ocorreria — para discutir a filiação de Carlessse, mas mandou um recado do tipo “a quem interessar possa”: “Vale destacar que Dorinha, por estar no partido há 24 anos, tem credibilidade nos processos de tomada de decisões”, dizia o comunicado da parlamentar. Dito e feito: a deputada, uma dos poucos políticos do Tocantins que frequentam o mesmo partido por mais de duas décadas, se manteve firme na presidência do DEM regional.

Até que não é mau negócio

Os sinais de que ela tinha vencido a parada vieram no último final de semana, quando se chegou a informação de bastidores de que Carlesse tinha desistido do DEM, já que não conseguiria a presidência regional. No entanto, o que parece é que o governador avaliou que ser um dos 15 vice-presidentes nacionais também pode ser interessante.

Leia também