CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

A peregrinação do oficial de Justiça até Monte Santo para intimar Max Fleury

Ex-presidente do PreviPalmas Max Fleury (Foto: Secom Palmas)
A peregrinação do oficial de Justiça até Monte Santo para intimar Max Fleury
5 (100%) 15 votos

Sob vara

O ex-presidente do PreviPalmas, Maxcilane Machado Fleury, vai testemunhar à CPI do PreviPalmas no dia 21 de maio, às 14 horas. A comissão da Câmara da Capital já aprovou o ofício que será encaminhado às autoridades policiais para que Max Fleury seja conduzido coercitivamente. 

Longa peregrinação

A condução coercitiva será possível por causa da parceria da Câmara com a Prefeitura de Palmas para que o Legislativo pudesse utilizar os serviços do oficial de Justiça do convênio que existe entre o Paço e o Tribunal de Justiça, como a coluna já havia antecipado. Max Fleury não foi localizado, mas, depois de uma longa peregrinação, o oficial de Justiça encontrou a esposa dele na quinta-feira, 25, em Monte Santo.

Residência sempre fechada

Na certidão, o oficial de Justiça contou ter ido cinco à residência de Max Fleury: duas no dia 4 (às 14 horas e às 18h30), uma no dia 5 (às 8 horas) e duas no dia 10 (às 10h30 e às 19 horas). “Sempre encontrando a residência fechada”, pontuou o agente do Judiciário no documento. O profissional ainda tentou localizar Fleury no dia 8 numa chácara na região de Palmas e no dia 9 em Porto Nacional.

Intimado da mesma forma

Na quinta-feira, o oficial, então, encontrou a esposa de Fleury, após procurar o endereço de trabalho dela, em Monte Santo. Pela instrumento chamado de intimação por hora certa, a mulher foi avisada que no dia seguinte, na sexta, 26, às 10 horas, iria à residência do casal em Palmas e que se o ex-presidente do PreviPalmas não estivesse presente poderia se considerar intimado da mesma forma. Dito e feito: “Ao chegar ao local no dia e hora marcados não fui recebido e deixei a intimação na caixa de correios da casa”, contou o oficial de Justiça na certidão.

Sem identificação não colou

À CPI do PreviPalmas, o advogado Leandro Manzano protocolou primeiro uma petição sem identificar qual seria o cliente que defenderia ao pedir para ir a Belém (PA), para a oitiva do preso Elton Felix Gobi Lira, no 7. No entanto, a Procuradoria da Câmara deu parecer pela rejeição do pedido considerado genérico. Então, sem outra alternativa, Manzano teve que protocolar outra petição revelando que seu cliente interessado na oitava era o ex-prefeito Carlos Amastha (PSB).

Não quis camuflar interesse

O advogado Leandro Manzano negou que tenha omitido deliberadamente que seu cliente era Amastha. Segundo ele, foi o próprio presidente da CPI, vereador Milton Neris, que solicitou que enviasse “tão somente” seus dados pessoais para que fossem encaminhados ao sistema prisional do Pará. Na sexta-feira, 26, o advogado disse ter sido informado que não poderia participar comitiva pelo caráter reservado da oitiva. Além disso, um técnico da CPI teria informado Manzano de que o pai do empresário preso avisou que ele só falaria para os membros da comissão. “Imediatamente fiz uma petição, com fundamentação e jurisprudência. Não tentei em nenhum momento camuflar meu interesse, e todos sabem que sou advogado de Carlos Amastha”, afirmou.

Ajudou

O depoimento da ex-presidente do PreviPalmas Wally Aparecida Macedo Vidovix foi uma convocação do vereador Tiago Andrino (PSB), braço direito de Amastha e que é membro da CPI. A defesa do ex-prefeito avalia que ela ajudou ao negar que tenha tratado de investimentos com Amastha.

Não ajudou

Para o presidente da CPI, vereador Milton Neris, Wally não ajudou em muita coisa o ex-prefeito ao colocar em cena o ex-secretário de Finanças Cláudio Schüller, a quem o parlamentar disse que a ex-presidente contou que se reportava para discutir o PreviPalmas.

Flores a perder de vista

Da tribuna, nesta terça-feira, 30, o presidente da Câmara de Palmas, vereador Marilon Barbosa (PSB), explicou que o Legislativo não vai adquirir R$ 170.150 em flores e arranjos para solenidades da Casa. Conforme Barbosa, a Câmara aderiu a um licitação já pronta, por ser mais econômico no setor público. No entanto, a exigência é de que a adesão tem que se dar no valor global disponível, no caso os mais de R$ 170 mil. “O que não significa que o valor total será utilizado no prazo vigente da Ata, mas apenas o necessário. Além disso, desde o início do ano, gastamos apenas R$ 5 mil em algumas solenidades da Casa, o que demonstra nossa economia”, ilustrou o presidente. 

Fake News

O governo do Tocantins teve que produzir uma mensagem negando os boatos das redes socais de que estaria discutindo a volta da jornada de seis horas para o funcionalismo. Conforme o Palácio, não existe nenhuma discussão sobre o tema e a jornada continuará em oito horas.

PT de olho em 2020 em Gurupi

O portal Atitude, de Gurupi, traz que o pedreiro Gerry Adriano tenta emplacar o seu nome para disputar a Prefeitura de Gurupi nas eleições de 2020 pelo PT. Segundo Adriano, o partido ainda tem nomes como o ex-vereador Cabo Carlos, Assis da AGD e o professor da UFT Raimundo Wagner como opções de candidatura. “Quero dizer que o PT está vindo forte, estamos articulando a nossa campanha e já temos seis pré-candidatos a prefeito. Estamos fazendo reuniões, visitas e sendo bem recebidos pela população”, garantiu Gerry Adriano ao portal gurupiense.

Sem perito

Em Araguaína, o vereador Marcus Marcelo (PR) cobra um médico perito para a agência do INSS da cidade. Faz três anos que a vaga está desocupada, o que vem prejudicando a população. Nessa segunda, Marcus apresentou duas indicações para tentar resolver o problema: uma a seu aliado e deputado federal Tiago Dimas (SD) e outra ao secretário nacional de Previdência Social, Leonardo Rolim.

Sinuca de bico

Marcus Marcelo é pré-candidato a prefeito de Araguaína e esteve nessa segunda-feira com o presidente regional de seu partido, deputado federal Vicentinho Júnior, que garantiu que o PR terá um nome na disputa da cidade em 2020. Só há um problema para o vereador: seu líder político maior, o prefeito Ronaldo Dimas (sem partido), rompeu com os Vicentinho pai e filho na eleição suplementar do ano passado.

Sem data-base há anos

A Câmara de Lajeado aprovou um requerimento do vereador André Portilho (PRP) que pede o pagamento da data-base dos servidores do município, atrasada há anos. Segundo Portilho, o funcionalismo local não recebeu o direito nos últimos dois anos do governo da ex-prefeita Márcia da Costa Reis Carvalho. O vereador pede ainda à prefeitura um cronograma financeiro de pagamentos.

Na conta I

A Prefeitura de Paraíso do Tocantins pagou os salários dos servidores, referente a abril, na tarde dessa segunda-feira, dia 29. Foram pagos R$ 3.154.928,49, injetados na economia do município às vésperas do feriado do Dia do Trabalhador.

Na conta II

Já o governo do Estado paga nesta terça-feira, 30, 26.368 servidores que recebem salário líquido de até R$ 3.226. Para esta primeira etapa da folha referente a abril estão destinados R$ 59.926.040,22. Os demais servidores vão receber até o dia 12.

Visita à Adetuc

O presidente da Agência do Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc), Tom Lyra, recebeu nessa segunda o senador Irajá Abreu (PSD) – foto -, que foi conhecer os projetos em desenvolvimento e as principais demandas da comunidade e prefeituras para o setor. “O senador tem demonstrado preocupação em apoiar propostas voltadas ao turismo e à cultura”, afirmou Lyra.

Lei Rouanet regional

Irajá Abreu lembrou ter proposto uma lei de incentivo a cultura, nos moldes da Lei Rouanet, com redução de impostos, para estimular os empresários a patrocinarem projetos culturais regionais. Para ele, Tom Lyra tem “respaldo e credibilidade entre políticos e empresários, tem tudo para avançar em seus projetos”.

Leia também