CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Sisepe reage à fala do ministro Guedes e diz que “parasitas” são o sistema financeiro e os políticos

Sisepe reage à fala do ministro Guedes e diz que “parasitas” são o sistema financeiro e os políticos
5 (100%) 2 votos

O Sindicato dos Servidores do Estado (Sisepe) reagiu à fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, que chamou os servidores de “parasitas”. “Paulo Guedes chama os servidores públicos de parasitas, mas todos os dias, ao longo dos anos, o Brasil e sua população são parasitados pelo sistema financeiro — bancos —, área da qual o ministro fez carreira”, lembrou nota de repúdio do sindicato.

Maioria ganha até R$ 5 mil

Conforme a entidade, “a maioria dos servidores públicos estaduais do Tocantins ganha menos de R$ 5 mil e uma parcela muito pequena, em áreas específicas, recebe salários mais altos”. “Pessoas que estudaram por anos para ingressarem na carreira pública, onde oferecem um trabalho de qualidade e muitas vezes em condições precárias”, defendeu o Sisepe na nota.

Os verdadeiros parasitas

Para o sindicato, “os verdadeiros parasitas são os agentes políticos, deputados, senadores, governadores, presidente da República que financiam o sistema financeiro”.

Desculpas

Guedes pediu desculpas aos servidores públicos brasileiros após declaração polêmica. “Me expressei mal e peço desculpas não só aos meus queridos familiares e amigos mas a todos os exemplares funcionários públicos a quem eu possa descuidadamente ter ofendido”, disse.

Confira a íntegra da nota do Sisepe:

NOTA DE REPÚDIO DO SISEPE-TO

Ministro Paulo Guedes, parasita é o sistema financeiro

A maioria dos servidores públicos estaduais do Tocantins ganha menos de R$ 5 mil e uma parcela muito pequena, em áreas específicas, recebe salários mais altos. Pessoas que estudaram por anos para ingressarem na carreira pública, onde oferecem um trabalho de qualidade e muitas vezes em condições precárias.

São os servidores públicos que atendem a população no seu dia a dia, nos hospitais, nas escolas, nas ruas, garantindo segurança pública e saúde. Um dos melhores programas do mundo é a vacinação de crianças e adultos no Brasil, que garantiu o controle de diversas doenças, serviço organizado e executado por servidores públicos.

Nesse sentido, o SISEPE-TO repudia o discurso do ministro da Economia, Paulo Guedes, que comparou os servidores públicos a parasitas, durante evento na Fundação Getúlio Vagas, na última sexta-feira, 7. Guedes, com sua gestão desastrosa, tem manifestado uma desprezo ao serviço público e ao estado brasileiro, com diversas medidas que prejudicam a população no geral, reduzindo o alcance do Poder Público, logo, as demandas essenciais dos brasileiros deixam de ser atendidas.

Um ministro que propôs e defendeu uma reforma da previdência que gerará diversos problemas no futuro da nossa nação e não prejudica apenas os servidores públicos. Paulo Guedes chama os servidores públicos de parasitas, mas todos os dias, ao longo dos anos, o Brasil e sua população são parasitados pelo sistema financeiro – bancos -, área na qual o ministro fez carreira.

Nós, servidores públicos, temos que defender um serviço público de qualidade para a população no geral e condições de trabalho, que incluem remuneração com correção anual da inflação e progressão de carreira, cumprindo a legislação vigente; e, também, a ampliação dos serviços e a garantia do atendimento das demandas dos brasileiros. O SISEPE-TO, repudia os gestores  que por falta de argumentos banalizam o discurso político defendendo o descumprimento das leis com ofensas aos servidores públicos.

Por fim, os verdadeiros PARASITAS são os agentes políticos, deputados, senadores, governadores, presidente da República que financiam o sistema financeiro.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: [email protected]

Leia também