CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Dificuldades na empresa de transporte público de Palmas por conta da redução de usuários são discutidas na Câmara

A sessão desta quinta-feira, 23, da Câmara de Palmas ainda foi voltada para os impactos da pandemia de Covid-19. Cada vereador trouxe uma pauta referente à crise. O vereador Lúcio Campelo (MDB) levou para o debate os prejuízos que a concessionária de transporte público de Palmas tem passado com a pandemia.

Mais gastos e menor arrecadação

Para a prestação de serviço de transporte coletivo urbano, é necessária a limpeza diária dos veículos, com utilização de produtos de limpeza que impeçam a propagação do Covid-19, higienização do sistema de ar-condicionado e disponibilização de álcool em gel. Além disso, os ônibus não podem circular com capacidade superior à metade da capacidade de usuários sentados. “Palmas precisa custear o serviço para que a empresa possa atender essas recomendações. A concessionária está tendo mais gastos e arrecadando muito menos”, defendeu.

Gastos durante a pandemia

O vereador Milton Néris (PDT) questionou os gastos do Poder Executivo durante a pandemia. Conforme o parlamentar, os processos de despesas do período já foram solicitados à Secretaria de Saúde (Semus), porém, a Casa de Leis ainda não obteve resposta. O parlamentar afirma que desde o decreto de calamidade o município já gastou R$ 8,2 milhões, com materiais de consumo e distribuição de remédios, conforme dados do Portal da Transparência. “Não compreendo com o que a gestão está gastando. Em 40 dias de pandemia gastar milhões, sendo que as UPAs estão vazias, o atendimento caiu mais de 50%. Com o que está sendo gasto esse dinheiro?”, questionou.

Diferenças com 2019

O parlamentar também disse ter levantado dados do fundo do Sistema Único de Saúde (SUS) que apontam gastos de R$ 195 mil com material de proteção e segurança em todo 2019. Enquanto este ano já foram gastos R$ 3,8 milhões. Néris ainda aponta no ano passado, R$ 6,9 milhões foram gastos com remédios para atender quase 300 mil habitantes, já em 2020, devido à pandemia, R$4,5 milhões, em 40 dias.

Suspensão de prazos

Um Projeto de Lei de autoria de Tiago Andrino (PSB) também foi apresentado na sessão. O texto dispõe sobre a suspensão dos prazos de validade de concursos públicos municipais durante o estado de calamidade pública. Os prazos só voltariam a fluir após o fim da crise, sem prejuízo a eventual prorrogação do certame. “ “A pandemia tem exigido da administração pública esforços orçamentários e financeiros muito acima do inicialmente planejado para seu enfrentamento. Assim, é natural que o município acabe optando por, neste momento, não admitir novos servidores em áreas não essenciais ao combate da pandemia”, ponderou.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também