CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.
governo-mobile-2

Terceiro colocado em Palmas, Eli Borges afirma que estava na frente da disputa uma semana antes da eleição e diz ter perdido para a “dinheirocracia”

Terceiro colocado da eleição de Palmas, o deputado federal Eli Borges (SD) enviou uma longa nota à imprensa para comentar o resultado das urnas. O congressista nega que as palavras sejam uma espécie de desabafo, mas sim “uma reflexão necessária”.

Estava liderando, mas perdeu para a “dinheirocracia”

Eli Borges manteve o discurso de que liderava a disputa pelo Paço, citando uma pesquisa de intenção de voto que o colocou na frente. O deputado sugere que derrota veio por influência do dinheiro das campanhas mais caras e das outras pesquisas que não o colocaram na liderança. “De verdade, uma semana antes estive vencendo as eleições, a pesquisa que me colocava na dianteira não era mentirosa. Para quem perdi? Para o velho sistema, dos velhos caciques, para a ‘dinheirocracia’ – saberão na prestação de contas – e pela indução de reiteradas pesquisas mentirosas dos opositores”, resume.

10 mil votos perdidos na reta final

Na avaliação de Eli Borges, estes fatores fizeram com que perdesse 10 mil votos na reta final. “Se as pesquisas patrocinadas por poderosos não fossem mentirosas, com certeza todos os votos daqueles que não queriam a atual gestão, teriam sidos canalizados para mim ou para outro bom candidato que lutava contra o sistema”, argumenta o candidato derrotado, que destaca o fato de  63,76% não terem votado na atual gestão.

Leia a íntegra da nota:

“BREVE REFLEXÃO DE GRATIDÃO POLITIZAÇÃO

Agradeço aos mais de 16.582 eleitores que acreditaram em mim. Estou em paz. O que direi à frente, não é desabafo, é uma reflexão necessária.

De verdade, uma semana antes estive vencendo as eleições, a pesquisa que me colocava na dianteira não era mentirosa.

PARA QUEM PERDI?
Para o velho sistema, dos velhos caciques, para a “dinheirocracia” (saberão na prestação de contas) e pela indução de reiteradas pesquisas mentirosas dos opositores;

Muitas vezes fui procurado para lotear a Prefeitura, e com esses “recursos” teria milhares de pessoas multiplicando. Preferi me manter sem negociar. Perdi a eleição, mas não perdi os valores da fé;

Cheguei a pensar que ainda estava valendo os oito mandatos honestos, por ser este um clamor da sociedade, ao final, percebi que a maioria não queria isto;

Pensei que a defesa da família e a luta contra ideologias (sem discriminar) estava valendo, mas a maioria, inclusive líderes, que dizem defendê-la, também não queriam isto. A consciência não falou (mesmo assim continuo esta luta sem discriminar, como sempre fiz);

Pensei que os empresários (excetuando vários, inclusive o candidato a vice), a quem tanto defendi, queriam um candidato com histórico e com compromisso de diminuir a carga tributária, a burocracia, que não fechasse as portas, mas mantivesse o diálogo sempre, ao final, também percebi que não era isso que a maioria queriam;

Vi a sociedade clamar por saúde, ausência de um hospital de campanha, demora de exames, cirurgias eletivas, ai fiz o meu dever de casa, destinando mais de 35 milhões para quem executa (não sou chefe de executivo) fazer a sua parte, ao fazer isso, demonstrei que investiria numa saúde pública melhor, ao final, não era isto que a maioria queriam;

Vendo o resultado, percebi que 63,76% não queriam a atual gestão, mas, pela ausência de unidade dos opositores, se é que alguns efetivamente o eram, continuamos como antes.

Calculo ter perdido pelo menos 10 mil votos na reta final. Com esses votos, e se as pesquisas patrocinadas por poderosos não fossem mentirosas, com certeza todos os votos daqueles que não queriam a atual gestão, teriam sidos canalizados para mim ou para outro bom candidato que lutava contra o sistema. O jogo foi feito, e durante 4 anos o que deveria ser mudado não mudou.

Não faço isto em tom de desabafo, já estou no 8º mandato, acho que estou contribuindo com estes registros para melhorarmos a politização e buscarmos um tempo novo de Palmas, que a priori, tem previsão orçamentária de 1,5 Bilhão de reais;

O meu respeito a todos os candidatos, cada um jogou o seu jogo, não sei como fica a consciência de alguns, quanto a mim, estou tranquilo, não sei se valeu a semente, mas valeu a intenção de jogá-la. A vida segue, e sigo de cabeça erguida à sua disposição como Deputado Federal.

Obrigado a Deus, aos trabalhadores, aos voluntários e aos 16.582 eleitores que confiaram em mim!

Tranquilamente, com muita paz no coração, e com respeito, agradeço!

Eli Borges
Deputado Federal”


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também