CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Documentário que debate conflito agrário na região de Porto Nacional estreia no sábado

Exibição tem como finalidade levar a público uma história pouco conhecida ocorrida na circunferência distrital de Palmas

Documentário que debate conflito agrário na região de Porto Nacional estreia no sábado
5 (100%) 1 voto

O diretor e produtor Antonio Souza lançará no sábado, 16, o documentário “Terra e Sangue, Conflito Agrário na Região do Tocantins”. A exibição está marcada para as 19 horas, no Cine Cultura (Espaço Cultural). O filme tem aproximadamente 71 minutos de duração. Após a exibição haverá debate sobre “Reforma Agrária: Distribuição de terras, situações e perspectivas”.

O documentário trará à tona a história do povo e das terras do São João, desde seu primeiro dono. O direito de posse foi conseguido junto à Paróquia de Porto Nacional por D. Ana Aires da Silva, em 1858. Após a morte dela, sem inventário, as terras foram abandonadas.

Em 1915 um senhor chamado Antonio Ayres Primo, suposto parente da falecida, fez uso de uma pequena parte das terras, porém, sem nenhum direito de posse. Informados do descaso e abandono da fazenda, na década de 1940 famílias oriundas do Maranhão, Piauí e outros Estados marcharam para o São João. Seria esse vale a “terra prometida”. Nele se instalam a princípio sem objeções ou resistências por parte de quem se dizia “dono”.

As primeiras roças foram feitas, plantações realizadas e, quando as benfeitorias já eram visíveis, o tempo de paz acabou. Um grileiro apareceu e disse ter comprado a fazenda. Ameaçou os trabalhadores e, por fim, ofereceu valor irrisório para que eles deixassem as terras. Com a recusa dos posseiros, a violência se iniciou. (Com informações da assessoria)


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também