CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Nilmar Ruiz / Simples assim!                                    

Nilmar Ruiz / Simples assim!                                    
5 (100%) 11 votos

Sabe aqueles dias em que Deus nos presenteia? Que nos dá o privilégio de estar rodeados de crianças? Assim foi o meu domingo! Meninos por todos os lados! E a noite um convite…

Vovó, vamos assistir DivertidaMente? Na cama tinha uns cinco e os outros espalhados pelo chão. Mas eu nem imaginava que o filme não era só para eles, mas especialmente para mim.

Já imaginou se aprendêssemos, desde pequenos, a olhar para dentro de nós e a identificarmos os pensamentos prejudiciais e as crenças limitantes?

NILMAR RUIZ É escritora e palestrante

Tudo que eu há anos venho estudando sobre o poder do pensamento e das emoções nas escolhas das ações que efetivamos e consequentemente nos resultado obtidos; o estado de animo determinando o  bem estar e o campo energético; a esperança e o sonho como mola propulsora e a alegria como a porta da felicidade, estavam ali expressados em um desenho animado compreensível para qualquer criança.

Eu sempre considerei Walt Disney um ser iluminado. Além de sua história ser exemplo de persistência e superação, a genialidade, a beleza e a sensibilidade estão  presentes em suas obras. Mais uma vez fiquei encantada e, agora, com um tema tão especial para mim e tão importante nesse momento, em que os altos índices de ansiedade e depressão estão alarmantes.

E lá estava uma menina feliz na sua família e na sua cidade. E o laboratório da mente com seus pensamentos, emoções e estados sendo administrados e comandados pela alegria. Mas as outras emoções estavam lá: o medo, a raiva, a tristeza…Os estados eram representados por vários símbolos : vida em família, a desonestidade, a diversão, o robe…e estavam intimamente relacionados aos  pensamentos que desencadeavam emoções que modificavam e eliminavam os estados de ânimo. As energias positivas e negativas eram empilhadas, de acordo com os pensamentos e emoções. Tudo super bem ilustrado é compreensível!!!Show!!! Muito show!!!

Então a família muda para uma outra cidade e a menina tem dificuldade em deixar os amigos, o time de hóquei e aceitar os contratempos que a mudança acarretava. Os estímulos que desencadeavam alegria, que remetiam aos estados de ânimo favoráveis, não eram mais ativados e a tristeza, o medo e a raiva encontravam terreno fértil.

E aí? O que você acha que aconteceu? Que eles viraram os vilões da história? Nada disso!!! Todos, cooperativamente, trabalhavam para que a alegria obtivesse sucesso e que a menina ficasse feliz. Muito lindo!! Acredito que é realmente assim que as coisas funcionam. O bem tem muita força. Entendo que o nosso corpo e o universo reagem e conspiram a nosso favor. Juntam forças para que tenhamos sucesso e para que estejamos felizes. Porém, para usufruirmos dessa força é necessário vibrar no mesmo padrão.

O trem da vida ia passando e a alegria se esforçando ao máximo para estar dentro dele. E todas as emoções unindo-se para ajudar. Mas de repente a menina deixa de usar a imaginação, de sonhar, a esperança vai embora, a tristeza passa a dominar  e o desânimo ataca. É assim que a depressão se instala.

Mas a imaginação e a alegria, não se dão por vencidas. Percorrem todos os caminhos. Juntam todas as forças, utilizam  todas as energias e entram novamente no trem da vida. A menina reage, muda o estado de ânimo e volta a estar feliz.

Termina o filme, quando o botão da adolescência aparece e  uma nova fase se inicia.

Com certeza  outras histórias poderão ser contadas. Outros momentos retratados, nesse novo momento da vida. Mas o laboratório da mente continuará trabalhando da mesma forma. A alegria e as demais emoções trabalhando para que os pensamentos prejudiciais não destruam os estados de ânimos que mantêm a felicidade.

Fiquei pensando… Já imaginou se aprendêssemos, desde pequenos, a olhar para dentro de nós e a identificarmos os pensamentos prejudiciais e as crenças limitantes? A perceber as nossas emoções e os estados de ânimo? A desenvolver  inteligência emocional e decidir o que mudar para viver melhor? Com certeza as pessoas não estariam tão doentes e a depressão não seria o mal do século.

Olhei para os meninos e agradeci a Deus por aqueles momentos de carinho, aprendizado e reflexão. Olhei para o céu e pedi à Deus que a alegria, a paz e o amor pudessem vencer sempre os nossos desafios pessoais e os embates da vida.


NILMAR GAVINO RUIZ
É professora, ex-secretária da educação, ex-prefeita de Palmas e ex-deputada federal. É co-autora da ARH – Auto Reprogramação Humana –  e palestrante.
[email protected]


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: [email protected]

Leia também