CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Pare! Conte até 10!

Pare! Conte até 10!
5 (100%) 1 voto

É comum ouvir muitas pessoas dizerem que, se não tivessem perdido a calma, se não tivessem “explodido”,não estariam vivendo tantos infortúnios. Em pouco minutos de insensatez casamentos se desfazem, amizades se rompem, relacionamentos se acabam. Nos momentos de perturbação emocional se perde totalmente o controle e se toma atitudes que, no estado de calma e paz, com certeza não tomaria.

Bastam trinta segundos de tensão e perturbação para se cometer atos muitas vezes irreversíveis. Quantos assassinatos, quantos suicídios acontecem em decorrência da perturbação emocional? Nesse estado a pessoa perde totalmente a capacidade de pensar, de refletir, muitas vezes agride a quem mais ama, e perde, num único momento, o que levou a vida inteira  para construir.

É difícil manter a calma mesmo nos momentos mais difíceis? O equilíbrio emocional é um obstáculo instransponível? A decisão é sua, ter o controle da sua vida ou deixar a vida te levar aos 'trancos e barrancos'.

NILMAR RUIZ É escritora e palestrante

Há alguns anos ocorreu uma tragédia que chocou a todos nós. Um amigo da família, casado há mais de quarenta anos e com três filhas, se aposentou e começou a ter ciúme da companheira que saia todos os dias para trabalhar. Pensava todas as formas e motivos que ela tinha para traí-lo e isso aumentava o ciúme que o atormentava. Passou a vigiá-la e a enredar histórias na sua mente. Um dia a esposa entrou no elevador, que ao invés de descer, subiu para atender o vizinho num andar de cima. Um rapaz de um pouco mais de trinta anos, casado, com dois filhos pequenos e muito simpático. Com suas desconfianças e totalmente desatinado, João fantasiou que os dois estavam tendo um caso. Então, pegou sua arma e desceu  escada abaixo. Quando a porta do elevador se abriu ele matou os dois, a queima roupa. A filha mais nova, não suportando o sofrimento, se atirou do último andar do prédio em que moravam. E João, preso ao arrependimento e a dor, não encontrava mais razão para viver. E num certo dia desapareceu. Depois de muito ser procurado, foi encontrado sobre a sepultura da esposa, morto, com um revólver na mão e um tiro na cabeça.

A perturbação emocional é devastadora. Cega, embota a capacidade de raciocinar.

E como ocorre? A psique humana, o processo de formação dos pensamentos, da consciência, das emoções e a transformação da energia emocional ainda representam grandes desafios para a ciência. Porém, diversas teorias neuropsíquicas, fazem referência a três funções cerebrais. Segundo Henri Laborit, na área inferior do cérebro  se armazenam os instintos, as sensações e as emoções. No mesocéfalo ficam as funções da memória e da aprendizagem. É a sede dos pensamentos herdados, onde está tudo que aprendemos com a família, com a escola, com a sociedade, com os meios de comunicação…a carga benéfica e  prejudicial. E na parte mais alta do cérebro são processados os pensamentos racionais e intuitivos. A perturbação emocional acontece quando não se tem a prática da leitura interna, do autoconhecimento, quando as emoções e os pensamentos prejudiciais se unem e causam “explosão”,  impossibilitando a ação do raciocínio e da intuição, que fariam com que se pudesse analisar a situação de diversos ângulos e identificar múltiplas possibilidades.

Daí vem o antigo conselho. Diante de um momento de tensão, pare! Conte até dez! Respire, não fale, pense em coisas prazeirosas, esboce um sorriso, faça uma oração… Bastam apenas dez segundos para vencermos a perturbação e em seguida recuperarmos a gostosa sensação de equilíbrio, calma e serenidade. Bastam dez segundos para que os pensamentos e os sentimentos prejudiciais se enfraqueçam, se esvaiam e se tornem sem sentido. Bastam apenas dez segundos para você assumir o controle da situação.

É difícil manter a calma mesmo nos momentos mais difíceis? O equilíbrio emocional é um obstáculo instransponível? A decisão é sua, ter o controle da sua vida ou deixar a vida te levar aos “trancos e barrancos”.

Investir na mudança e na transformação pessoal é uma conquista diária. Às vezes “escorregamos” mas levantamos e seguimos em frente. O autocontrole é um processo permanente de disciplina e construção.

Mas estamos nessa vida para evoluir, e como somos manifestação de Deus, se ligando a Ele e as forças do universo, vamos expandindo e desenvolvendo a nossa percepção, abrindo a nossa mente e trilhando mais facilmente e melhor o nosso caminho.

Vencemos as crises e os obstáculos quando aliamos o nosso desejo de mudança e a nossa decisão de não se perturbar, nos atendo a expressão dos atributos divinos de que todos nós somos dotados, à sintonia do universo e do Criador.


NILMAR GAVINO RUIZ
É professora, ex-secretária da educação, ex-prefeita de Palmas e ex-deputada federal. É co-autora da ARH – Auto Reprogramação Humana –  e palestrante.
nilruiz@uol.com.br


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também