CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

BOM DIA – Ataídes nos planos de Carlesse e Amastha e a confusão destes dias

0
BOM DIA – Ataídes nos planos de Carlesse e Amastha e a confusão destes dias
4.6 (92%) 5 votos

Os últimos dias estão sendo e os próximos também serão de muito alvoroço nos bastidores da política tocantinense. Um influente articulador afirmou à coluna que até o final de semana as duas chapas majoritárias da política tradicional estarão praticamente definidas. O governador recém-empossado Mauro Carlesse (PHS) e o ex-prefeito de Palmas Carlos Amastha (PSB) disputam neste momento o apoio do presidente regional do PSDB, senador Ataídes Oliveira. Ambos os grupos descartam completamente a possibilidade de o tucano disputar o governo do Tocantins. Para os dois lados, esse movimento de Ataídes é puro blefe.

O que está em jogo para Carlesse e Amastha é um dos maiores tempo de TV e de fundo eleitoral. Ataídes conversou logo após o segundo turno com o governador e nos últimos dias esteve por duas vezes com o ex-prefeito da Capital.

Candidato à reeleição, o senador conta a seu a favor com a necessidade da executiva nacional de ter um tucano disputando com condições de competitividade. Contudo, a margem de liberdade de Ataídes para decidir não é tão larga. Afinal, grande parte dos prefeitos tucanos e os dois deputados estaduais do partido, Olyntho Neto e Luana Ribeiro, já está na base palaciana. De outro lado, isso favorece o presidente regional do PSDB, porque são esses aliados que pressionam Carlesse a ceder uma vaga na majoritária para o parlamentar.

Apesar da confusão que vai se intensificar a partir de agora, ambos os lados — Carlesse e Amastha — querem estar na segunda-feira, 15, com as majoritárias definidas

CLEBER TOLEDO É jornalista e editor do CT

Mas não será tarefa fácil. O governador já tem compromisso para o Senado com o ex-governador Siqueira Campos (DEM) e com o deputado federal César Halum (PRB). Há a tese de lançar mais de dois candidatos, mas exigiria um contorcionismo jurídico que não se sabe se cola perante a Justiça Eleitoral. Ainda existem grupos defendendo a incorporação do ex-deputado federal Eduardo Gomes (SD), também para senador.

Pelo lado de Amastha, Ataídes teria garantida a vaga de senador. Além do tempo de TV e fundo eleitoral, o ex-prefeito se interessa em colocar um dos irmãos Stival — o petebista José João ou o tucano Oswaldo — como candidato a vice-governador. Mas o que o pré-candidato do PSB tem a oferecer, fora a vaga ao Senado? Outra questão que surge é se Amastha conseguiria manter os arquiinimigos no plano nacional PT e PSDB numa mesma chapa.

Bons petistas de correntes diversas têm dúvidas. Esperavam manter a vaga de vice de Amastha, que na suplementar coube ao advogado araguainense Célio Moura. Se o ex-prefeito não conseguir o PSDB, o PT tem chance. Caso contrário, é pouco provável que se repita a dobradinha do primeiro turno.

No entanto, há setores no partido do ex-presidente Lula que não está gostando do rumo da prosa, e pensa uma forma da virar o barco a bombordo, para remar em direção a Márlon Reis (Rede). Vem outra indagação: o cenário nacional permitiria esta união?

No campo da senadora Kátia Abreu (PDT), Amastha abriu a vaga de senador para o deputado estadual Osires Damaso (PSC), mas com a condição de convencer o grupo da parlamentar a acompanhá-lo. Estratégia para evitar uma conversa direta com a própria, que anda pra lá de irritada com o ex-prefeito da Capital?

Ela está muito decepcionada com o desgaste com caiu em seu colo no episódio da malfadada reunião das oposições. Kátia está decidida: não é candidata a governadora. E abriu conversa também com o governador Mauro Carlesse, de quem já foi aliada e adversária. Antes da cassação do ex-governador Marcelo Miranda (MDB), os dois reuniram algumas vezes. Assim, a união deles agora não seria nenhuma surpresa.

Ao contrário da aproximação que Amastha vem tendo com o senador Vicentinho Alves (PR) e Marcelo Lelis (PV), com os quais o ex-prefeito manteve inúmeras discussões pouco civilizadas. Prints de ataques dos mais grosseiros do ex-prefeito aos seus prováveis futuros aliados já começam a rodar as redes sociais. O volume deve crescer bastante com a definição dessa aliança. Além do mais, cai o discurso da “velha política” e todos se nivelam pela mesma régua que Amastha usava para medir seus oponentes. Sem a máscara, todos ficam iguaiszinhos. Sem o discurso que tenta sustentar desde 2012, o que dizer agora para militância e eleitores?

Em outra frente, Amastha teria a intenção de tirar Márlon Reis da disputa de governador. O pré-candidato da Rede, claramente, tira milhares e milhares de votos do ex-prefeito nos seus colégios-alvo, os das maiores cidades tocantinenses. Os amasthistas torcem para Márlon se convencer a desistir do Palácio e mirar a Câmara dos Deputados. Má notícia: o ex-juiz e advogado manda dizer que nada, absolutamente nada, o tirará da disputa pelo Executivo estadual.

O MDB também caminharia para a campanha de Amastha, partido de um dos seus alvos preferidos de ataque, o ex-governador Marcelo Miranda.

Esse é o caldo que se extrai dos principais movimentos de bastidores dos últimos dias. Apesar da confusão que vai se intensificar a partir de agora, ambos os lados — Carlesse e Amastha — querem estar na segunda-feira, 15, com as majoritárias definidas.

A avaliação geral é de que a indefinição promove a autofagia, com os grupos internos se digladiando por espaço, e a definição coloca cada um em seu devido lugar, faz com que quem não conseguiu se encaixar pegue a viola e vá cantar em outro terreiro e inicia o processo de coesão em torno da majoritária, fundamental para dar corpo e bandeira à grande batalha eleitoral.

São as eleições de outubro tomando forma para ganhar as ruas.

CT, Maringá (PR), 11 de julho de 2018.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também