CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

BOM DIA – Projeto do TJ é tentativa nobre de romper os grilhões das corporações sindicais

0
BOM DIA – Projeto do TJ é tentativa nobre de romper os grilhões das corporações sindicais
4.7 (93.33%) 6 votos

Tribunal de Justiça e suas corporações sindicais fazem uma queda de braço judicial em torno de uma proposta de reestruturação dos cargos do judiciário tocantinense, que visa “reduzir despesas e aumentar eficiência para o fiel cumprimento dos limites prudenciais da Lei de Responsabilidade Fiscal”, conforme o Poder declarou em sua defesa no Conselho Nacional de Justiça.

O TJ está mesmo no teto dos gastos com pessoal previstos pela LRF. Ele pode comprometer até 6% da Receita Corrente Líquida (RCL) e está em 5,64%. Além disso, como foi mostrado na reunião do governador Mauro Carlesse (PHS), os Poderes e órgãos do Tocantins estão em terceiro entre os mais caros da região Norte, ao custo de R$ 831,33 por habitante, enquanto os do Pará cobram apenas R$ 260,79 de seu povo.

Não há como ignorar a realidade de que a folha está matando este Estado: de cada R$ 100, R$ 72 são canalizados, direta ou indiretamente, aos servidores. É justo com um Estado pobre, carente de tudo quanto tipo de assistência, de ausência de uma rede forte de proteção aos mais frágeis?

CLEBER TOLEDO É jornalista e editor do CT

Diante desse quadro, a cúpula do TJTO começou a se movimentar para adequar a folha à realidade do Estado, e os gastos do Judiciário com pessoal é para lá de irreal, é surreal. Um analista judiciário, conforme o Portal da Transparência, chegou a ter um rendimento bruto em outubro de R$ 38.808,49; um oficial de Justiça, de R$ 37.663,21; e um contador, de R$ 25.201,02. Pelas normativas atuais, cada servidor do Poder Judiciário tocantinense ganha 30% de gratificação, sem qualquer outra exigência, tão somente pelo simples fato de ser servidor do TJTO. Isto é, ele é contratado para exercer atividade judiciária e, por isso e apenas por isso, tem direito a 30% de gratificação.

Outras normas do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração (PCCR) produzem anomalias a ponto de levar um o oficial de Justiça, por exemplo, a ganhar mais que um desembargador e, muitos deles não têm sequer curso superior.

Essas distorções ocorrem em outras carreiras, não só do Judiciário, mas de todo o funcionalismo do Estado, graças a Planos de Cargos, Carreiras e Subsídios (PCCSs) feitos a toque de caixa às véspera de eleições. Dessa forma, esse enfrentamento com as corporações sindicais é fundamental para a solução desta crise fiscal que devasta o Tocantins e gera um funcionalismo elitizado e relega ao povo serviços públicos cada vez mais precários.

Ninguém está dizendo que servidor tem que ganhar mal, o que não pode é torná-lo fim quando é meio. Ou seja, o funcionalismo tem um papel fundamental para garantir qualidade de atendimento à população e, por isso, deve ser valorizado, inclusive salarialmente. Contudo, se a folha é desconectada da realidade arrecadatória, como é o caso de praticamente todas as carreiras de servidores, o cidadão, que deveria ser o fim do serviço público, é esquecido, e todos pagamos impostos com o único objetivo de remunerar servidores com todas as regalias. É isso que ocorre no Tocantins, numa total inversão das coisas.

Todos os servidores, reforçando, merecem o máximo respeito da sociedade, mas os Poderes e órgãos não podem continuar reféns das corporações sindicais. É preciso ter coragem, espírito público elevado e combater os abusos que existam nos planos de carreiras e que vão, em pouco tempo, inviabilizar totalmente o Tocantins. Caminhamos a passos largos para isso, e a coluna já alertou isso aqui várias vezes.

Geralmente, o contra-argumento é que estão “tentando tornar o servidor culpado pela crise”. Ele não é culpado, mas seus sindicatos são, sim, cúmplices dos governos que fizeram esses planos de carreiras sem qualquer lastro com a realidade financeira do Estado, pressionando em períodos pré-eleitorais para conseguir regalias que não existem nos Estados mais ricos deste País.

Claro que existem falta de planejamento, corrupção, gastos supérfluos para agradar “amiguinhos do rei”. E a coluna sempre observou isso. Contudo, não há como ignorar a realidade de que a folha está matando este Estado: de cada R$ 100, R$ 72 são canalizados, direta ou indiretamente, aos servidores. É justo com um Estado pobre, carente de tudo quanto tipo de assistência, de ausência de uma rede forte de proteção aos mais frágeis, que 72% de tudo que se arrecada seja consumido por apenas 3,6% da população, os 54 mil servidores estaduais? Apenas míseros cerca de 2% de investimentos são o que sobra para a população em geral, depois do custeio da máquina.

Por isso, com todo respeito que tenho a todo o funcionalismo, e, repito, reconheço sua importância para o bom funcionamento do Estado, defendo que é preciso rever todos os PCCSs, e que se adeque os ganhos à realidade da arrecadação.

O Tocantins não pode continuar como se estivesse sequestrado por corporações sindicais. Esse enfrentamento é inevitável.

Nesse sentido, a proposta do Tribunal de Justiça é uma tentativa muito nobre de romper os grilhões dessas corporações. É o início de uma longa guerra, da qual, com um Estado financeiramente saudável, não tenho dúvida, de que todos, inclusive servidores, sairão vencedores.

CT, Palmas, 18 de dezembro de 2018.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também