CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

CPI vai ouvir em Belém preso envolvido com o PreviPalmas; prefeitos tucanos confirmam que podem sair

Empresário Elton Félix Gobi Lira, que prestou serviços ao PreviPalmas (Foto: Instagram)
CPI vai ouvir em Belém preso envolvido com o PreviPalmas; prefeitos tucanos confirmam que podem sair
5 (100%) 2 votos

Coluna do CT

CPI vai ouvir preso em Belém

O vereador Milton Neris (PP), presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga os investimentos de risco do PreviPalmas, enviou ofício nesta quinta-feira, 11, ao diretor do Centro de Detenção Provisória de Icoaraci, em Belém (PA), para pedir autorização para tomar o depoimento do preso Elton Félix Gobi Lira. Ele é um empresário envolvido na operação Circus Maximus da Polícia Federal, que apura corrupção no Banco Regional de Brasília.

Em detalhes

A empresa de Lira prestou serviços ao PreviPalmas. Conforme Milton Neris, o preso, em depoimento à Polícia, teria dado detalhes de como funcionaria o suposto esquema contra o instituto de Previdência do servidor da capital do Tocantins. Segundo a coluna apurou, o empresário já estaria em prisão domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica. Contudo, mesmo assim é um preso, defendeu Neris, e é necessário formalizar o pedido de depoimento às autoridades prisionais.

Reconvocações

A convocação de Lira foi aprovada pela CPI na reunião de segunda-feira, 8. O presidente da comissão avisou que, dependendo do que o empresário disser, poderão ocorrer novas convocações, inclusive de pessoas que já foram à Câmara depor.

Mais de R$ 30 milhões

Elton Félix Gobi Lira, conforme a Polícia Federal, se apresentava como operador do mercado financeiro e arrecadador de recursos de fundos de previdência junto a prefeituras. O empresário é réu em processo que investiga desvio de mais de R$ 30 milhões em recursos de fundos municipais de Pará, Tocantins, Santa Catarina, Amapá e Brasília.

Dorme, neném…

O empresário teria muita coisa a dizer, o que estaria deixando muita gente sem dormir.

Erros da Caixa

Além da convocação da Lira, a CPI ainda aprovou na segunda-feira uma reunião com a Superintendência da Caixa Econômica Federal para discutir os supostos erros de procedimentos do banco na liberação dos R$ 50 milhões do PreviPalmas que foram destinados ao Cais Mauá de Porto Alegre (RS).

Confirmam possível “destucanada”

A coluna conversou com os três prefeitos do PSDB citados nessa quarta-feira, 10, e eles confirmaram que realmente estudam a possibilidade de deixar o partido, ainda que nada esteja definido. A prefeita de Caseara, Ildislene Santana, disse que a conversa existe e envolve bem mais que os três prefeitos citados na nota dessa quarta.

Decisão em conjunto

Conforme a prefeita, o grupo fez um acordo para tomar a decisão em conjunto sobre o futuro partidário. Ildeslene contou que eles devem se reunir com o presidente regional do PSDB, o ex-senador Ataídes Oliveira, na segunda, 15, ou terça-feira, 16, para discutir o assunto.

Sem representatividade

O prefeito de Cristalândia, Cleiton Batatinha, disse que o grupo se sente sem representatividade federal, e esse seria um dos motivos que levam os gestores à reflexão sobre a permanência ou não no ninho tucano. Outro é o processo eleitoral do ano que vem e, ainda, suas gestões, já que, com a crise dos municípios, os prefeitos precisam de forte apoio federal para conseguir recursos e tocar a máquina.

Nada a ver com Gaguim

Batatinha negou qualquer interferência do deputado federal Carlos Gaguim (DEM) na movimentação deles. Segundo o tucano, foi de iniciativa dos próprios prefeitos refletir sobre a possibilidade de deixar o PSDB. No entanto, admitem, até pelo fato de Gaguim ser o representante do grupo, há a possibilidade de todos rumarem mesmo para o DEM.

Compactua da ideia

A prefeita de Brejinho de Nazaré, Miyuki Hyashida, disse inicialmente não estar “sabendo nada de mudança partidária”, nem da reunião com Ataídes semana que vem, mas, depois, afirmou que compactua da ideia de que, se for para sair do PSDB, a decisão tem que ser tomada em conjunto com os demais prefeitos do partido.

 Gaguim se desculpa

Durante a reunião com os prefeitos tocantinenses nessa quarta-feira, sem entrar nos detalhes, o coordenador da bancada federal, deputado Carlos Gaguim, desculpou-se publicamente com o prefeito de Combinado, Lindolfo do Prado Neto, o Dofim (PV), por atritos entre os dois no ano passado. Gaguim foi elogiado pelos deputados pela atitude humilde.

Mais dois anos de mandato

Os prefeitos também se empolgaram com a declaração de Gaguim durante o encontro de que vai subscrever a iniciativa de parlamentares de estender o mandato dos prefeitos por mais dois anos para a unificação das eleições. A velha idéia de o País passar a ter apenas um único ano eleitoral. Foi bastante aplaudido pelos gestores, cujos mandatos vencem em 2018.

Não descarta encerrar a carreira

O deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (DEM) não descarta a possibilidade de encerrar a carreira política, caso não consiga resolver seus problemas de saúde. Ele revelou à coluna que o temor de passar mal em plenário, como ocorreu pela terceira vez na terça-feira, 9, se tornou uma preocupação constante. Seus problemas começaram quando sofreu uma paralisia facial há dois anos, e depois outros problemas foram se apresentando.

Está otimista

Contudo, nada vai ser decidido antes das análises detidas dos médicos, laudos e até mesmo de uma possível cirurgia que talvez precise fazer. Eduardo disse que acredita na cura, por isso, se mantém otimista quanto a seu futuro político. “Gosto da tribuna”, avisou o parlamentar, que já foi deputado federal e senador.

Licença da AL

Sobre a licença que deve tirar da AL, ela também só será decidida após os laudos médicos e definição sobre a cirurgia.

Bem representado

Dos 30 membros da Comissão Mista do Orçamento do Congresso Nacional, quatro são tocantinenses: senadores Kátia Abreu (PDT) e Eduardo Gomes; e deputados federais Vicentinho Júnior (PR) e Carlos Gaguim (DEM). Eles garantem que isso significará mais recursos para o Estado.

Leia também