CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Cassação do governador representa desajuste orçamentário e financeiro, diz Mourão

0

Ao usar a tribuna na sessão vespertina de terça-feira, 3, na Assembleia Legislativa, o deputado Paulo Mourão (PT), avaliou que a cassação de mais um governador em um momento traumático da vida política do Estado representa um desajuste de ordem econômica, orçamentária e financeira, além de uma situação de instabilidade jurídico-constitucional. “Em nove anos estamos com seis governadores.  Eu pergunto, qual empresário de bom senso hoje iria investir no estado do Tocantins?”, questionou.

O parlamentar continua o discurso considerando os prejuízos que a população sofre em função dos equívocos dos governantes,  como o desemprego, a falta de assistência à saúde. “Os servidores sem a garantia que receberão seus salários”, pontuou. “Muitos servidores chegando ao momento da sua aposentadoria, em um Estado criado há 29 anos que já tem uma dívida consolidada líquida de R$ 30 bilhões no Instituto de Previdência do Estado. É algo muito desconfortável e preocupante”, lamentou. “Poderíamos estar falando de projetos de desenvolvimento, de geração de emprego e renda”, considerou.

LEIA MAIS

Marcelo e Cláudia acionam STF para suspender cassação; Gilmar Mendes é o relator

Pacificar a política
Paulo Mourão entende que o Tocantins que precisa dar paz ao seu povo. “Precisamos pacificar a forma de fazer política, temos que abandonar esse modelo populista, este estado não suporta mais um governo que não tenha a compreensão e o compromisso e o trabalho de efetivas realizações, de estar ao lado do povo, de se comprometer com o povo, promover desenvolvimento, gerar emprego e garantir aos jovens que estão se formando a cada ano oferta de emprego com qualidade de vida, a ele e seus familiares, foi com esse sonho estruturado que este estado nasceu”, ressaltou.

“Precisamos reunir homens de bom senso e fazermos compromisso de reconstrução do Tocantins, precisamos multiplicar os bons exemplos, precisamos ser enérgicos em combater corrupção, desmando e falta de compromisso com a sociedade tocantinense. Não podemos mais suportar que pessoas que recebem a titularidade de representar o povo tocantinense, quando se empoderam esquecem que a sociedade é que  é o nosso patrão, são as pessoas que pagam impostos, os empresários, os trabalhadores, comerciantes para quem temos a responsabilidade de dar a resposta, é assim que devemos seguir no processo de reconstrução e esperanças do nosso povo”, sustentou.

Pacto
Paulo Mourão recomenda o reenquadramento do Estado dentro de um processo de reconstrução, mas observa que o sob o comando de um governo provisório, há a necessidade de se entender a dinâmica dos outros poderes: Tribunal de Contas (TCE), Ministério Público (MPE) e de Contas (MPC) e a própria Justiça.  “Precisamos ter um pacto de que neste Estado a lei será respeitada”, afirma.

“Convênios não é legítimo fazê-los porque terão a concepção eleitoreira, politiqueira, populista, gasto de recursos que não estejam no planejamento orçamentário do Estado, uma coisa preocupante o governo que saiu mandou de orçamento suplementar mais de R$ 250 milhões  para votação pela Casa”, ressaltou.

O parlamentar encerra sua fala pedindo ao TCE, MPE e MPC que façam o acompanhamento de cada ato que possa comprometer orçamento e despesa financeira  do governo para ver se estão abrigados sob o ordenamento e o arcabouço legal jurídico do Estado. Inclusive afirmou que fará uma solicitação via ofício nesse sentido, em função do processo eleitoral. (Com informações da Ascom)


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: [email protected]

Leia também