CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Ronison Parente diz que Formoso “perdeu-se no tempo com politicagem e clientelismo barato”: “É uma cidade por fazer”

O advogado Ronison Parente (Progressistas) foi vereador, presidente da Câmara, superintendente do Patrimônio da União no Tocantins (SPU/TO) e subsecretário estadual da Agricultura e Pecuária. Ele já tentou se eleger prefeito de sua cidade, Formoso do Araguaia, no sul do Estado, por três vezes — 2008, 2012 e 2016 —, sempre batendo na trave. Agora se prepara para uma quarta participação nas eleições do município, inovando com conversas semanais com a população sobre as necessidades dos bairros de Formoso, através de lives transmitidas pelas redes sociais, uma vez que a época é de pandemia da Covid-19, que já chegou a 185 pessoas e matou uma na cidade.

3ª em arrecadação de ICMS

Para Ronison, Formoso “tem sofrido muito com esta questão de gestão pública”. Ele disse que, nos primeiros anos da criação do Tocantins, a cidade chegou a ser a terceira em arrecadação de ICMS. “Era uma cidade respeitada, extremamente forte, elegeu deputado federal, deputado estadual em função de sua força econômica e daquilo que representava para o Estado”, avaliou.

Perda de espaço

No entanto, o ex-vereador disse que, ao longo do tempo, Formoso foi perdendo espaço, “exatamente porque não se ousou na questão da economia”. “Perdeu-se muito tempo com politicagem, com questões menores, clientelismo barato em que a política insiste em fazer e que não leva ninguém a nada”, disse.

Sem competidor

Ronison afirmou que Formoso era sozinho no agronegócio do Tocantins, que não tinha competidor. “Era um momento muito importante para termos expandido nossa área plantada, se consolidado como polo agrícola”, defendeu. Segundo ele, o município poderia também ter avançado na agroindústria. O advogado lembrou que a cidade não tem frigorífico, apesar de possuir o segundo maior rebanho do Estado.

Cidade por fazer

Ao longo dos anos, Ronison estimou que o somatório do que foi feito de pavimentação asfáltica na cidade não chega a 50% do perímetro urbano. “Temos quase meio milhão de metros quadrados de ruas e avenidas sem pavimentação asfáltica. E o que é pior: 70% daquilo que foi asfaltado está completamente deteriorado. E o pior ainda: tudo o que foi feito não tem rede de esgoto”, lamentou, concluindo: “É uma cidade por fazer”.

Confira a íntegra da entrevista do ex-vereador Ronison Parente ao quadro Conversa de Política:


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: [email protected]

Leia também