CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

TEMPO REAL / Palmas já tem data para reabrir o comércio; só falta combinar com o vírus

A retomada da economia é o que todos almejamos. Afinal, não há um só setor que não esteja acumulando prejuízos com a crise provocada pela Covid-19. E este é o cerne de todo o debate. Quem parou o mercado não foi a quarentena para garantir o necessário isolamento social, mas o novo coronavírus. Como disse o doutor em virologia Átila Iamarino, “se você não fechar, a Covid-19 fecha”.

Ou seja, se não pararmos, o vírus, de altíssima transmissibilidade, circulará mais rápido, mais gente adoecerá e teremos que suspender as atividades na marra. Essa rebeldia contra a Covid-19 — não contra políticos ou medidas de isolamento em si — só servirá para permanecermos com as atividades interrompidas por muito mais tempo. 

O plano de retomada é muito bom para quando Palmas estiver na descida da montanha. Os números estarão todos decrescentes: casos diários, mortes, internações, ocupação de leitos clínicos e UTIs. Aí, sim, vamos escalonar o retorno às atividades econômicas, com todas as restrições e cuidados com as quais precisaremos conviver daqui para frente

CLEBER TOLEDO, jornalista e editor da Coluna do CT

Se parássemos e ficássemos em isolamento social sério — não esse que está aí para tentar enganar a Covid-19 —, haveria prejuízo do mesmo jeito, mas por menos tempo, porque o vírus daria uma trégua e poderíamos mais rapidamente planejar o retorno ao “novo normal”, com todas as restrições com as quais teremos que nos habituar daqui para frente. Pelo menos até o surgimento de um remédio ou vacina. 

É sob essa óptica que avalio o plano para retomada das atividades econômicas de Palmas anunciado nessa sexta-feira, 29, pela prefeitura. Claramente, a prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) cedeu às pressões dos diversos segmentos empresariais e, portanto, a proposta é a institucionalização da rebeldia contra o vírus, que, insensível, vai dar de ombros e pisará no acelerador na sua investida para dominar a cidade.  

A Prefeitura de Palmas definiu que dia 8 de junho volta a funcionar o comércio varejista, concessionárias, lojas de departamentos e parques e praças. No dia 15, poderão retomar os trabalhos shoppings (com exceção da área de entretenimento), restaurantes (self-service e a la carte), academias e escolas de natação e esportivas. Falta combinar com o vírus.

Veja só: foi definida uma metodologia por cores para localizar o cenário da pandemia da Capital em cinco fases: a 1, vermelha, de alerta máximo, na qual só pode funcionar o essencial; a 2, laranja, de controle, com eventuais liberações; a 3, amarela, quando começa a ampliar a flexibilização; a 4, azul, quando as autorizações para funcionamento se ampliam com as devidas restrições; e, por fim, a 5, verde, quando a doença está controlada, há a liberação de todas as atividades com o devido protocolo.

O que me chamou a atenção na fala da secretária de Desenvolvimento Econômico e Emprego, Mila Jaber, durante a entrevista coletiva dessa sexta-feira, foi quando afirmou que Palmas está saindo da fase amarela para a azul. Claro que como leigo, alguém que, por dever de ofício, tem lido muito sobre o assunto e assistido inúmeras falas de cientistas e especialistas diversos, a figura que mais representa o percurso de uma nação nesta pandemia é a que era usada pelo ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta, a de uma montanha. 

A Covid-19 nos obriga fazer uma caminhada rumo ao pico e nesse trajeto o ambiente vai se tornando mais escuro e inóspito, os obstáculos maiores, provocando muitas baixas, lágrimas e dores. Então alcançamos um platô, onde não há um rio caudaloso nem um sol brilhante. É quando somos envoltos por uma tempestade ainda mais terrível, mais agressiva, com raios assustadores. As baixas crescem exponencialmente, não há socorro que dê conta de tantas vítimas e o único vale que vislumbra é o de sangue e dor. Ficamos nesse platô por semanas, como num purgatório, até que vem a trégua. 

Aos poucos, como o pecador que já pagou por seus erros, vamos sendo reconduzido ao pé da enorme montanha de dores. Nessa volta, a borrasca vai cedendo, as baixas diminuem, as lágrimas também e as dores se tornam mais suportáveis. De volta ao pé da montanha, novamente vislumbramos o sol, respiramos o ar puro a plenos pulmões, o vento agradável lambe nossos rostos e nossas feridas. A vida, enfim, em relativa normalidade, mesmo sabendo que nunca mais esqueceremos de todo o flagelo.

Neste momento da jornada dolorosa que temos que percorrer ainda estamos na subida, não na descida, como deixou crer a fala da secretária Mila e também da prefeita Cinthia. Já ouvi alguém dizer que não há informação confiável para nos localizarmos nesta pandemia. Há sim. Simples questão de contas. Veja só: nesta semana, o número de casos da Covid-19 na Capital cresceu 30,4% (de 408 no domingo, 24, a 532 nessa sexta) e em maio acumula um salto de 706,1% (eram apenas 66 registros no dia 1º). O número de mortes aumentou 250% no mês, de duas para sete.

Se os números estão num crescendo significa, por matemática óbvia, que estamos subindo a montanha das dores. É frágil considerar a baixa ocupação de leitos clínicos e UTIs para autorizar a retomada da economia. Justamente porque ainda estamos marchando em direção ao cume da cordilheira. Além disso, conforme o Boletim Epidemiológico de Palmas, tínhamos nessa sexta 244 pacientes em isolamento e 14 internados. Se muitos deles evoluírem nos sintomas para algo mais grave, o que não é improvável, a estrutura da Capital poderá não ser suficiente para socorrê-los. O que foi, inclusive, alertado pelo Sindicato dos Médicos do Estado (Simed), em sua nota sobre a retomada das atividades econômicas: “Na atual configuração do serviço de saúde pública, o município não está em condições de conter o contágio”, avisou a entidade.

O plano de retomada é muito bom para quando Palmas estivermos na descida da montanha. Os números estarão todos decrescentes: casos diários, mortes, e ocupação de leitos clínicos e UTIs. Aí, sim, vamos escalonar o retorno às atividades econômicas, com todas as restrições e cuidados com as quais precisaremos conviver daqui para frente. Ressaltando que a Europa vai reabrindo muito lentamente mesmo tendo saído do pico há mais de um mês.

Implantar esse plano no momento da subida vai agradar o empresariado e enganar a população com a mensagem implícita de que está tudo sob controle, o que elevará exponencialmente o risco de contágio, porque muita gente vai voltar à vida “normal. Mas não espantará a Covid-19, que continuará fazendo estragos, sem se sensibilizar com o otimismo da prefeitura. Há um agravante: por Palmas ser um polo regional, poderá fazer com que o número de casos do novo coronavírus expanda nos municípios de seu raio de influência, que até agora tem baixíssimos índices de contaminação.

Por isso, o plano do município de retomada pode ser muito bom para quem quer voltar às ruas e ao trabalho. Mas, reafirmo, falta combinar com o vírus. Afinal, quem manda é ele.

Contaminar de manhã ou à tarde?
Nessa sexta, o prefeito de Gurupi, Laurez Moreira (PSDB), liberou a abertura das igrejas pelo período de 15 dias, a partir deste sábado, 30. Os casos lá vêm num crescendo: eram 4 no dia 1º e hoje são 94, alta de 2.225%. Na semana, alta de 17,7%.

Importante lembrar que Gurupi flexibilizou no dia 7, quando havia 19 casos, ou seja, já em alta. Agora são 94. Uma parte do comércio funciona de manhã e outra à tarde. Ou seja, coloca o cidadão na rua o dia todo. Porque vai numas lojas de manhã e em outras à tarde. Assim, o gurupiense pode escolher em qual período quer se contaminar.

Democrático. 

CT, Palmas, 30 de maio de 2020.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também