CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

TSE cassa mandatos de vereadores por recursos para candidaturas femininas; defesa de Dulce diz que casos são diferentes

Em decisão deste mês de agosto, o Pleno do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou de forma unânime o diploma de dois vereadores do município de Rosário do Sul (RS). Os dois perderam os mandatos por uso ilícito de verbas do Fundo Partidário. 

Repasse irregular

Conforme o site Conjur, a vereadora Jalusa Fernandes (PP) repassou parte dos recursos recebidos por ela a título de promoção de candidaturas femininas para candidatos do sexo masculino. Um dos beneficiados foi outro parlamentar municipal, Afrânio Vasconcelos (PP). Os dois perderam o mandato. Este foi o primeiro julgamento em que o TSE examinou esse tipo de desvio.

TRE absolveu, mas houve recurso

Recurso da Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) levou um processo contra a deputada federal Dulce Miranda (MDB) sobre o mesmo tema para o TSE. Esta recente decisão do Pleno pode influenciar no caso da emedebista. A tocantinense foi condenada na primeira instância eleitoral justamente por repassar recursos Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) reservadas a candidaturas masculinas para candidatos homens. O TRE a absolveu por 4 votos a 3, mas a PRE recorreu para Corte Superior.

Casos diferentes

À Coluna do CT, o advogado de Dulce Miranda, Sérgio do Vale, afirmou que o processo dos vereadores gaúchos é diferente do da deputada, isto porque no caso recém-julgado pelo TSE a transferência se deu entre candidaturas do mesmo nível, enquanto a tocantinense repassou valores para postulantes à Assembleia Legislativa. “Configurando assim as chamadas dobradinhas, perfeitamente aceitas pela legislação”, justifica.

Questionamento não ocorreria com homens

Ainda na avaliação de Sérgio do Vale, a transferência feita por Dulce Miranda não seria questionada caso ela fosse homem. “Se fosse um candidato – sexo masculino -, receberia o mesmo valor do partido, não por ser homem, mas em razão de sua condição de candidato à reeleição, e poderia, sem problema algum, repassar referidos recursos com candidatos tanto do sexo masculino quanto do sexo feminino”, explica.

Reeleição prova legalidade

Diante deste cenário que o advogado garante a legalidade do repasse. “Concluo reafirmando que no caso da deputada federal Dulce Miranda, os recursos foram todos utilizados em prol de sua candidatura [dobradinha], prova maior foi sua reeleição. Qualquer pensamento em sentido contrário constitui tentativa de, aí sim, afastar a participação da mulher na política. Continuamos seguros de que não existe qualquer irregularidade  em sua conduta”, resume Sérgio do Vale.

 


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: [email protected]

Leia também