CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Justiça Federal absolve Raul Filho, Zerbini e outros dois em processo por ato de improbidade administrativa

Justiça Federal absolve Raul Filho, Zerbini e outros dois em processo por ato de improbidade administrativa
5 (100%) 1 voto

A 2ª Vara Federal da Seção Judiciária do Tocantins julgou improcedente uma ação por ato de improbidade administrativa movida pela Procuradoria da República no Tocantins (MPF) contra um contrato firmado entre a Prefeitura de Palmas e o Instituto de Tecnologia em Educação, Administração e Política (Iteap) em setembro de 2012. A decisão do dia 4 de agosto do juiz Adelmar Aires Pimenta da Silva absolveu o ex-prefeito Raul Filho, os então servidores Fabrício Silva e Marizângela Reis, e o economista Tadeu Zerbini, presidente da entidade sem fins lucrativos.

O processo

O MPF argumentou que o Iteap, representado por Tadeu Zerbini, teria sido beneficiado da prática de atos ímprobos. Em síntese, a ação afirma que o instituição não atendia às exigências legais para a dispensa de licitação; que a contratação não foi oportunizada a outras entidades com experiência na área de qualificação profissional e social; que não houve justificativa quanto ao preço cobrado e que o economista – ex-secretário municipal – tinha relação próxima com os servidores do município.

Dispensa de licitação legal

A dispensa de procedimento licitatório foi embasada em dispositivo da Lei de Licitações que permite recorrer a este tipo contratação para contar com serviços de instituição brasileira sem fins lucrativos e de inquestionável reputação ético-profissional. Para o MPF, o Iteap não encaixava nestes critérios, o que foi afastado pelo juiz. “Não há que se falar em ausência de qualificação da instituição para a prestação dos serviços, encaixando-se ela na hipótese de dispensa referida”, anotou o magistrado.

Não há envolvimento entre os agentes

O juiz Adelmar Aires também avalia que a ação não conseguiu comprovar que o então secretário de Desenvolvimento Econômico, Fabrício Silva, a ex-superintendente do Trabalho, Marizângela Reis, e Raul Filho atuaram para beneficiar o Iteap. O suposto vínculo de Zerbini com o município também foi afastado, visto que o mesmo esteve à frente da pasta de Planejamento somente dois anos antes, tendo deixado o posto justamente por determinação do próprio ex-prefeito e de forma “não amigável”. “Não restou comprovado qualquer envolvimento subjetivo entre os agentes”, anota.

Meras conjunturas

Sobre a participação de Raul Filho, por exemplo, o juiz argumenta que não enxergou provas que confirmem uma deliberação expressa para beneficiar o instituto de Zerbini “O MPF alega simplesmente que houve determinação para que os secretários efetuassem a contratação do Iteap, quando na verdade não há nos autos qualquer comprovação acerca desta conduta do gestor. O órgão acusatório parece ter se valido de meras conjunturas para imputar ao prefeito a prática de ato de improbidade”, comenta.

Sem dano ao erário, sem prova cabal

A decisão ainda reforça ainda que sequer houve dano porque o próprio Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) confirmou em nota técnica à restituição integral dos recursos anteriormente repassados ao município. “O elemento subjetivo indispensável – dolo, culpa, má-fé – à condenação dos requeridos Marizângela Reis, Fabrício Silva, Raul Filho e Tadeu Zerbini não restou cabalmente demonstrado. Não houve benefício, igualmente, ao Iteap em virtude dos atos praticados. A absolvição das imputações contidas na inicial é medida que se impõe aos demandados”, encerra Adelmar Aires Pimenta, que revogou qualquer tutela provisória que pesava contra eles.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também