CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Após maior doação de órgãos, HGP movimenta toda estrutura para salvar 6 vidas

0
Após maior doação de órgãos, HGP movimenta toda estrutura para salvar 6 vidas
5 (100%) 1 voto

O Hospital Geral de Palmas (HGP) recebeu neste sábado, 15, a sua terceira maior captação de órgãos do Tocantins. A mobilização se deu por parte da  professora, Antônia Facundes de Souza, que autorizou a doação dos órgãos da sua filha de 24 anos, que teve a morte encefálica confirmada após um acidente de trânsito.

Toda a estrutura do HGP, Central Estadual de Transplantes e outros parceiros, efetivaram a captação com sucesso do pâncreas, fígado, rins e córneas da doadora que faleceu na unidade. A doação poderá salvar a vida de cerca de seis pessoas que aguardam transplantes na fila do sistema nacional de transplante.

“No momento não foi fácil tomar essa decisão, mas com o apoio e esclarecimentos da equipe do Hospital, eles me convenceram e me mostraram o caminho certo, que eu poderia colocar a vida da minha filha em pessoas que estavam entre a vida e a morte, e que no futuro quem sabe essa pessoa possa brilhar como minha filha sonhava”, declarou.

A mãe da jovem falou ainda sobre a decisão de doar, mesmo a filha não manifestando o desejo em vida. “Eu conversei muito com ela, falei pra ela da importância e da alegria que ela podia dar para essas famílias que estão sofrendo como eu. Eu estou me sentindo feliz e tenho certeza que ela também ficaria em saber que vai continuar brilhando no corpo de outra pessoa”.

O enfermeiro da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT), do HGP, Vinicius Boaventura explicou que após receber a morte da pessoa, a família recebe a comissão para fazer o acolhimento e receber as orientações para a doação. “A gente conta sempre com a sensibilidade da família que nesse momento de dor, possa pensar em ajudar outras famílias que também estejam sofrendo.”

Vinicius ressalta a necessidade de se falar sobre o transplante de órgãos com os familiares ainda em vida. “Para que a doação de órgãos aconteça, é necessário que em vida o doador avise a família. Se a pessoa tem essa vontade e deixou claro para os familiares, com certeza ela será respeitada”.

Força-tarefa
Contando com uma equipe multiprofissional, inclusive com médicos do Ministério da Saúde, as doações foram possíveis por meio de uma grande força-tarefa interestadual, que teve o apoio do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), da Polícia Militar do Tocantins, da Infraero e da Força Aérea Brasileira (FAB). Os órgãos serão destinados aos estados de São Paulo e Distrito Federal e as duas córneas serão usadas em pacientes do Tocantins.

Doação
Quando um paciente evolui para o quadro clínico de morte cefálica, a Comissão Intra-hospitalar para a Doação de Órgãos e Tecidos para transplantes do HGP, entra em contato com a família para verificar se existe o interesse em realizar a doação dos órgãos. Se a família concordar com a doação, é realizado o processo de validação do doador, com realização de exames específicos.

Com o paciente validado, a Central de Captação, Distribuição de Órgãos e Tecidos do Tocantins (Cetto), comunica a Central Nacional de Transplantes, que verifica qual Estado aceita os órgãos e providência a logística da equipe que os retira e leva até o receptor beneficiado em prazos que variam de acordo com cada órgão.

Devido os prazos para utilização dos órgãos um grande aparato de logística é organizado como ocorreu aqui no Tocantins, que utilizou helicóptero para levar o fígado para o aeroporto e depois um avião comercial para Brasília e outros carros para levar os demais órgãos ao aeroporto que seguiram para São Paulo. (Com informações da Secom TO)


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também