CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Livros & Cia — A poesia de Bráulio Bessa, pioneiros de Divinópolis do TO e Junio Batista atualiza sua obra

Livros & Cia — A poesia de Bráulio Bessa, pioneiros de Divinópolis do TO e Junio Batista atualiza sua obra
5 (100%) 10 votos

Livros e Companhia

Pioneiros de Divinópolis do TO

O professor e escritor Luciano Moreira está pronto para lançar Divinópolis do Tocantins – suas memórias, suas histórias e suas contradições (Editora Kelps). O livro conta a luta dos pioneiros, desbravadores e sonhadores que construíram suas vidas no município. O lançamento será neste domingo, 15, às 9h30, no Auditório Senador João Ribeiro, em Divinópolis .

Poesias da Vida

O também professor e poeta André Goveia vai lançar Poesias da Vida (Editora Veloso). A data ainda está sendo definida. A obra é prefaciada pelo poeta e jornalista Zacarias Martins, da Academia Tocantinense de Letras. Goveia é secretário de Educação de Tocantínia.

Tocantins, história e geografia

O professor e escritor Junio Batista atualizou seu clássico Tocantins, história e geografia. A obra chega à nona edição e é fundamental para vestibulares, concursos e para quem quer conhecer mais sobre o mais novo Estado da Federação. No vídeo postado em suas redes sociais, Junio Batista explica o que mudou no livro nesta nona edição:

Bessa e um carinho na alma

O poeta cearense Bráulio Bessa lançou na Bienal do Livro Um Carinho na Alma, seu quarto livro de poesia. Ele ganhou o Brasil ao declamar seus poemas no programa Encontro, de Fátima Bernardes, na Globo. Bessa é convidado fixo do matinal televisivo desde 2015.

O Estadão mostra 10 livros sobre o 11 de Setembro

Nos 18 anos do atentado às torres do Word Trade Center, o site do jornal O Estado de S.Paulo trouxe dez livros sobre o 11 de Setembro:

O Fundamentalista Relutante, de Mohsin Hamid
Em um café em Lahore, um paquistanês conta sua vida para um turista norte-americano, incluindo como os atentados de 2001 o levaram a abandonar os Estados Unidos e a vida profissional e materialmente rica que levava lá. Estruturado como um longo monólogo, onde o interlocutor é uma sombra muda e o gesto derradeiro – violento ou não – é deixado em aberto. (Alfaguara; tradução de Vera Ribeiro)

Cidade Pequena, de Lawrence Block
O autor policial, criador de personagens inesquecíveis como Matt Scudder, faz de Cidade Pequena um ousado painel sobre Nova York pós-11/09. Entre seus vários personagens, há o sujeito que, após perder a família nos atentados, entrega-se a uma espécie de vingança contra a própria cidade, assassinando seus concidadãos. (Companhia das Letras; tradução de Anna Viana)

Os Filhos do Imperador, de Claire Messud
Parafraseando Philip Roth, “nada cumpre o que prometeu” nas vidas dos personagens de Messud. Os três protagonistas têm trinta e poucos anos, são privilegiados, egressos de boas escolas, mas vivem em desassossego. Assim, é como se a tragédia externa tornasse palpável o caráter cindido daquela geração – expresso desde a estrutura textual repleta de interpolações. (Nova Fronteira)

À Sombra das Torres Ausentes, de Art Spiegelman
Autor premiado com o Pulitzer, Spiegelman desenvolve aqui uma série de histórias por meio das quais, segundo ele próprio afirmou, conseguiu lidar com o choque sofrido. (Quadrinhos na Cia.; tradução de Antonio de Macedo Soares)

O Último Grito, de Thomas Pynchon
Pynchon faz com que o leitor se perca “construtivamente” em um labirinto narrativo no qual o terror se imiscui aos poucos no próprio tecido da realidade. A certa altura, frente à “hiper-realidade” dos atentados, a protagonista quer se esconder no universo virtual onde se perdera pouco antes. (Companhia das Letras; tradução de Paulo Henriques Britto)

Extremamente Alto e Incrivelmente Perto, de Jonathan Safran Foer
Após perder o pai “no pior dos dias”, o narrador (um menino de nove anos) empreende uma busca depois de encontrar uma chave entre os pertences do falecido. Os grafismos, imagens e textos sobrescritos usados por Foer não escondem o extremo sentimentalismo da narrativa – e a escolha final (um corpo que ascende em vez de cair) diz muito da incapacidade do autor de lidar com o trauma. (Rocco; tradução de Daniel Galera)

Homem em Queda, de Don DeLillo
Embora seja um autor com muito mais recursos do que Foer, o veterano DeLillo também não conseguiu escrever um romance à altura de seus melhores trabalhos (Ratner’s Star, Ruído Branco, Libra, Submundo). Ainda assim, tem seus bons momentos, como o início e o final (o protagonista em meio aos escombros das torres), e o paralelo irônico dos terroristas islâmicos com um extremista ocidental, alemão, branco e ateu. (Companhia das Letras; tradução de Paulo Henriques Britto)

Sons and Other Flammable Objects e The Last Illusion, de Porochista Khakpour
Ainda inéditos no Brasil, os dois primeiros romances da autora norte-americana (nascida no Irã) se concentram na comunidade de imigrantes e descendentes iranianos em um momento histórico traumático para todos os envolvidos. Sons é uma história familiar de deslocamentos, ao passo que Illusion reimagina um mito persa na Nova York do começo do século 21.

The Zero, de Jess Walter
Também inédito no Brasil, esse livro de Walter foi descrito pelo próprio autor como “um romance sobre o 12 de setembro”. Indo além, pode-se dizer que é um romance sobre os “estados alterados” dos EUA pós-11/9 com uma verve que remete a Joseph Heller. Quem conhece o autor de A Vida Financeira dos Poetas sabe que isso dificilmente é um exagero. Pela abordagem um tanto insana, o livro poderia ser colocado em uma sublista que inclui United States of Banana, da porto-riquenha Giannina Braschi (uma colagem que envolve metaficção, poesia, fragmentos narrativos e teatro), e a sátira também helleriana The Man Who Wouldn’t Stand Up, de Jacob M. Appel, onde um sujeito não se levanta para cantar “God Bless America” em um jogo de beisebol (e ainda mostra a língua para as câmeras de TV), inflamando o patriotismo obtuso de seus compatriotas e instaurando o caos.

American Widow, de Alissa Torres & Sungyoon Choi.
Por fim, incluo essa graphic novel autobiográfica. Trata-se de um relato pungente da experiência de Torres – grávida, ela perdeu o marido nos atentados.

Bate-papo na Bienal do Livro com Laurentino Gomes

O escritor e jornalista Laurentino Gomes participou de um bate-papo Bienal do Livro Rio 2019 sobre seu mais recentemente lançamento, Escravidão: Do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares (Globo). A mediadora foi a jornalista Flávia Oliveira. Assista a seguir:

Jornalismo, Eça e Machado

A editora Carambaia lança está lançando Ecos do Mundo, antologia de artigos publicados por Eça de Queiroz em jornais entre 1871 e 1899. Já a Nankin Editorial promete para o fim do mês Badaladas – Dr. Semana, caixa com dois volumes que somam mais de 1,5 mil páginas com todas as crônicas que Machado de Assis publicadas na revista Semana Ilustrada entre 1869 e 1876, com o pseudônimo de Dr. Semana.

Eu, empregada doméstica

A rapper e ativista Joyce da Silva Fernandes, a Preta-Rara, está lançando Eu, empregada doméstica (editora Letramento) com relatos inéditos da própria autora, sua mãe, sua avó e leitoras. Entre as histórias, a chocante descoberta de que sua mãe tinha sido escravizada quando criança.

Professora e modelo

Petra-Rara é uma ex-empregada doméstica que virou professora de história, modelo plus size e encontrou na música inspiração para educar e manifestar sua arte. Também é turbanista e influenciadora digital. 

Tratamento preconceituoso

Há três anos, Preta-Rara lançou uma página de Facebook em que publicava situações vividas quando era empregada doméstica, mostrando o tratamento muitas vezes preconceituoso e cruel dispensado a essa categoria. Logo começou a receber (e a postar) relatos de outras mulheres, e os depoimentos foram parar até na mídia internacional. 

(Com informações da Redação da Coluna do CT, dos sites dos jornais Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo e O Globo)


  • Para divulgar seus livros e eventos literários, envie informações e fotos para [email protected]

COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: [email protected]

Leia também