CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Após intervenção do MPE, Sinai não participará de edital para oferta de UTIs em Araguaína “para não haver qualquer tipo de dissabor ou comentários infundados”

A Secretaria de Saúde do Tocantins (Sesau) foi informada na sexta-feira, 26, de que o Instituto Sinai declinou da participação no chamamento público para oferta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para pacientes com Covid-19. Uma recomendação do Ministério Público motivou a decisão do hospital.

Orientação do MPE

Em ofício ao secretário Edgar Tollini, o Instituto Sinai esclarece que a decisão foi motivada por após o promotor Saulo Vinhal Costa recomendar que o Estado primeiro esgote a contratualização de leitos de instituições públicas – como o Hospital de Doenças Tropicais (HDT) – antes de requisitar a participação das empresas privadas.

Para não haver qualquer tipo de dissabor

Em trecho, o hospital resume o posicionamento. “Para não haver qualquer tipo de dissabor ou comentários infundados de qualquer natureza acerca da idoneidade do Instituto Sinai, entendemos como mais prudente, neste momento, não ofertar ao Poder Público leitos de UTI para o combate da Covid-19 até que todo o imbróglio seja sanado”, resume o hospital.

Pelo menos 90 dias

Conforme a Coluna do CT apurou, mesmo se houver recursos, para adequar o HDT para oferecer UTIs seriam necessários pelo menos 90 dias, fora a dificuldade para conseguir profissionais, enquanto o Sinai poderia disponibilizar o serviço imediatamente.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: [email protected]

Leia também