CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

BOM DIA / O mal que o Twitter faz

BOM DIA / O mal que o Twitter faz
5 (100%) 10 votos

As redes sociais são um fenômeno novo, do ponto de vista histórico, e que dão a nós, pouco afeitos a elas, uma falsa sensação de distanciamento, o que pode nos levar a exageros. Por trás dessa tese, num outro extremo, estão os absurdos racistas, por exemplo, porque as redes ainda dão outra falsa sensação: a de que se trata de terra sem lei, um verdadeiro vale-tudo.

Levaremos muitos anos ainda para nos adaptar a elas. Mas, com as leis se tornando mais rígidas e com as decepções com os outros e com a gente mesmo, vamos aprender. Falo de experiência própria.

Mas mal mesmo as redes sociais fazem é à vida pública, àqueles que vivem de sua imagem e dela dependem para conquistar pessoas, popularidade e votos. Claro, quando não se sabe conviver com o mundo virtual e quando a personalidade é do tipo que não leva desaforo para casa

CLEBER TOLEDO É jornalista

Há coisa de uma década, ainda asfixiado por crenças antigas, falei muita bobagem, magoei pessoas e fui magoado. Nos últimos anos, a vida me mostrou na prática o princípio shakespeariano de que há mais mistério entre o céu e a terra do que nossa vã filosofia imagina. Eu mesmo não imaginava. Fui tremendamente impactado e deixei as crenças superadas que tanto mal causaram e a causam no mundo, ainda que possam ter todas as boas intenções. Ainda tento me adaptar, superar minhas limitações com muita leitura e a formação interiorana e rígida que me cercou a vida toda. Não é fácil, mas necessário avançar. Um passo de cada vez.

Mas mal mesmo as redes sociais fazem é à vida pública, àqueles que vivem de sua imagem e dela dependem para conquistar pessoas, popularidade e votos. Claro, quando não se sabe conviver com o mundo virtual e quando a personalidade é do tipo que não leva desaforo para casa.

Isso para vale para o Brasil e fora dele. Lá nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump é um dos que despacham pelo Twitter, onde fala o que pensa. Na política, a gente sempre diz que apenas três seres agem dessa forma: as crianças, os bêbados e os doidos. Nas loucuras virtuais, Trump ainda se salva porque a economia americana está em franco crescimento. Povo endinheirado tende a relevar as bobagens de seus líderes.

No Brasil, temos os loucos que falam o que pensam: os Bolsonaro. Até as eleições, eles encontraram ressonância nos adeptos do politicamente incorreto e os insatisfeitos com o petismo deram de ombros à verborragia irresponsável da família. No entanto, passadas as disputas eleitorais, os fanáticos bolsonaristas, que pensam como seus ídolos, aplaudem, mas as demais parcelas da sociedade estão deixando de apoiar o governo diante dos discursos que remetem o Brasil à idade média, com a defesas de torturadores e frases desconexas com o século 21.

No Tocantins, as redes sociais abateram aquele que era visto como imbatível, o ex-prefeito de Palmas Carlos Amastha (PSB). Visto em novembro de 2017 como “governador eleito”, em março de 2018 já estava derrotado pelas próprias mãos, quando digitava impropérios a tudo e a todos que ele queria que se chamasse “velha política”.

Porém, ao invés de servir de exemplo de como não se deve usar as redes sociais, Amastha fez escola. Pelo menos é o que mostram as postagens de sua ex-aliada e sucessora Cinthia Ribeiro (PSDB). Em menos de uma semana, em uns poucos posts, a prefeita conseguiu jogar quase toda a Câmara contra ela, até os mais fiéis aliados.

Se continuar com nesse ritmo, o fim de Cinthia será o mesmo de seu antecessor, e, ao invés de reeleição, como seu ex-aliado, estará pensando é numa vaga de vereador para tentar recomeçar a vida pública, jurando não cometer mais as bobagens virtuais do passado.

CT, Palmas, 14 de agosto de 2019.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também