CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Geo diz que “possivelmente” servidores perderam os R$ 50 mi; vereador não exime Caixa

0
Geo diz que “possivelmente” servidores perderam os R$ 50 mi; vereador não exime Caixa
5 (100%) 1 voto

Após ouvir duras críticas de Rogério Freitas (MDB), Lúcio Campelo (PR), Milton Néris (PP) e Marilon Barbosa (PSB), o presidente da CPI do PreviPalmas, Júnior Geo (Pros), também foi à Tribuna na sessão desta quarta-feira, 7, da Câmara. O vereador comentou brevemente sobre o principal questionamento dos colegas quanto à não participação do Plenário na oitiva das testemunhas e negou as acusações feitas. Sobre os trabalhos da comissão em si, o parlamentar disse que já há constatação de crime e que cabe à CPI identificar os responsáveis, sem excluir sequer representantes da Caixa Econômica Federal.

No pronunciamento, o vereador falou do trabalho da comissão em si. Júnior Geo afirmou que as irregularidades já foram constatadas e que a intenção da CPI é justamente identificar os responsáveis. “Irregularidades ocorreram, investimentos foram feitos indevidamente. Logicamente as pessoas que assinaram esses investimentos devem ser responsabilizadas. O prejuízo não foi finalizado porque o prazo para estorno do valor não ocorreu, mas o erro já foi contabilizado. O crime já ocorreu”, disse o vereador.

Segundo ele, ficou constatado que os investimentos foram feitos indevidamente, não foram feitos em bancos oficiais, o que fere a política de investimento; sem passar pelo Conselho Municipal de Previdência, o que também foge à política de investimento; e com a assinatura de apenas dois membros, o que foge também à legislação existente, que exige três.

Para Geo, esses R$ 50 milhões de investimentos não serão estornados pelos fundos. “Eu não acredito [no estorno]. Se me perguntam se os servidores perderam esse dinheiro, possivelmente isso aconteceu”, afirmou. “O ex-prefeito [Carlos Amastha] esteve aqui e tenta ludibriar a opinião pública, afirmando que está tudo certo. Certo não está, o crime foi cometido, e isso é fato. Agora é necessário apurar para colocar as pessoas em seu devido lugar.”

Júnior Geo não tirou a responsabilidade da Caixa Econômica Federal, que recebeu a aplicação de R$ 8 milhões, segundo ele, por telefone e com assinatura apenas de dois responsáveis pelo PreviPalmas, quando o exigido era três. “O banco oficial também vai ser responsabilizado”, acrescentou. A manifestação ocorre apenas da instituição financeira já indicar o estorno da quantia.

“Quem deve ser responsabilizado pelo feito é o que nós estamos investigando na CPI. Se é presidente do PreviPalmas, se conjuntamente com secretário de Finanças, com diretor de investimentos, se com membro do conselho, se com o ex-prefeito… É isto que deve ser apurado e levar aos órgãos competentes”, comentou.

LEIA MAIS

Marilon Barbosa diz que Geo “deveria ser mais democrático”
Néris: CPI é “banca de pizza” e antecipação para “combinar com Amastha”
Campelo: Amastha fez Câmara de “palhaça” com “conivência” de Geo
Freitas critica Geo: “Eleito para fazer lambança”

Parecer
Sobre a decisão de manter as perguntas somente para membros da comissão, o vereador apenas reforçou que o Parecer da Casa falou apenas em “interpretação dúbia” sobre a possibilidade ou não do Plenário poder fazer questionamentos aos depoentes. Geo  ainda citou brevemente que quando foi montada a CPI, todos foram convidados para participar, e que, na época, “não houve briga”. “Faltava gente que quisesse ingressar”, disse.

Em seguida, Geo passou rebater acusações feitas pelos pares da Tribuna da Câmara. O primeiro ponto citado pelo vereador foi sobre a contratação de assessoria para auxiliar os trabalhos da comissão. O presidente negou que a empresa teria sido contratada pela Casa de Leis. “Para aqueles que mencionaram a contratação do jurídico, contratei com a verba indenizatória. Deixo claro isto”, garantiu.

Júnior Geo ainda foi enfático em negar qualquer ligação com o ex-prefeito Carlos Amastha. “Não sei de onde veio o pensamento do par para fazer uma acusação como esta de que minha pessoa teria relação com o ex-prefeito ou quem quer que seja. A minha história para chegar até aqui não foi feita em cima de nenhum tipo de negociação. Não admito acusações levianas”, disparou da Tribuna.

Leia também
Receba notícias do CT em seu e-mail
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...