CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

MÁRIO LÚCIO AVELAR / A bomba

À eminência de explosão do coronavírus nas favelas do Rio de Janeiro soma-se a inação do governo federal de providenciar renda e distribuição de alimentos à população. As notícias dão conta que a sociedade civil se organiza para prover o que pode em meio às centenas de milhares de famílias que moram em casas precárias onde falta até água – condição elementar de combate à propagação do vírus.

Em meio ao caos, o crime organizado dita a lei. O vazio do estado é logo ocupado. É o tráfico, a milícia, quem dá as cartas. Por toda parte, o caos ronda a vida e ameaça a estabilidade do sistema político – a explosão da violência é o prenúncio.

A ameaça de explodir quartéis com bombas é coisa do passado. A tática agora é outra: estimula-se a desobediência civil contra os governadores que, sem apoio, sem dinheiro, sem coordenação do governo federal, fazem o que pode para conter em milhares as mortes que virão

MÁRIO LÚCIO AVELAR

Alheio às advertências quanto à gravidade da crise sanitária e econômica, Bolsonaro dobra a sua aposta. Na periferia de Brasília, desfila junto à população. A ameaça de explodir quartéis com bombas é coisa do passado. A tática agora é outra: estimula-se a desobediência civil contra os governadores que, sem apoio, sem dinheiro, sem coordenação do governo federal, fazem o que podem para conter em milhares as mortes que virão.

Guedes, o sumido, é silêncio. Ao contrário do que fazem os governos europeus e americano o Brasil nega-se a formular a política econômica exigida para conter a gravíssima recessão que se instala e a amparar os mais vulneráveis – os que mais sofrem pela paralisia das atividades. É consenso entre os economistas que as medidas anunciadas pelo governo de apoio às pequenas e médias empresas estão muito aquém da necessidade. A renda mínima de emergência para os mais vulneráveis há pouco foi aprovada no Senado, impondo derrota à proposta inicial do governo, tímida e limitada, e segue para sanção presidencial. Desconhecem-se as formas de implementação.

O mundo está em guerra e os países mobilizam como podem suas forças no combate à epidemia e à recessão que destrói empresas, empregos e renda. No Brasil, a equação é outra: uma parcela da sociedade a tudo resiste, mas o governo – apoiado por outra – insiste no caos para se refestelar na tragédia.

A história nem sempre percorre um caminho linear. Há atores exógenos que podem acelerá-la para um desfecho, tencionar contradições que já existiam e precipitar afinal o curso dos acontecimentos. O coronavírus pode ser um desses casos. A insatisfação que já existia com o pífio crescimento econômico viu nele um aliado capaz de trazer impacto econômico ainda mais profundo, com repercussão nas esferas social e política sem precedente.

Informe publicado na segunda-feira (30) pela Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), revela que a “velocidade com a qual as ondas de choque econômico da pandemia atingiram os países em desenvolvimento é dramática, mesmo em comparação com a crise financeira global de 2008”.

Ainda segundo a entidade, o Brasil deve se preparar para um “coquetel extremamente perigoso”. A crise na saúde e uma crise na economia devem causar um “estresse enorme em uma economia que já vinha fraca”, apontou. Para a UNCTAD, o impacto deve ser mais profundo que o da crise de 2008, abalando o emprego de milhões de brasileiros no setor de serviços.

Olhando mais de perto a política, é forte entre os analistas a convicção de que Jair Bolsonaro jamais abandonou o seu plano de golpear o estado para governar sem os incômodos do Congresso e do STF. O presidente por várias vezes expressou a sua intenção em entrevistas, declarações e movimentos.

A tentativa, em meio à crise da saúde, de mobilizar a população economicamente mais atingida pelas medidas de isolamento social contra os governadores, sabotar o combate à epidemia e a inércia na adoção de políticas capazes de amortecer os efeitos da crise econômica podem ser só mais um dos caminhos.

Urge ao país desarmar essa bomba.


MÁRIO LÚCIO AVELAR
É procurador da República
marioavelar@uol.com.br


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também