CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

TEMPO REAL / Enfim, o Tocantins de volta à legalidade, mas a sociedade precisa estar atenta

TEMPO REAL / Enfim, o Tocantins de volta à legalidade, mas a sociedade precisa estar atenta
5 (100%) 10 votos

É um feito a se comemorar o anúncio do governador Mauro Carlesse (DEM) de que o Estado, depois de três anos, voltou a operar no limite legal estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O Tocantins comprometeu no segundo quadrimestre (de maio a agosto) deste ano 47,67% de sua Receita Corrente Líquida (RCL) com folha — o limite legal vai até 49%. Isso significa uma redução de 7,68 pontos percentuais em relação ao que era gasto no primeiro quadrimestre (55,35%) e 10,55 pontos percentuais em relação ao primeiro quadrimestre do ano passado (58,22%), quando Carlesse assumiu o comando do Palácio Araguaia.

É importante ressaltar que crise fiscal não é algo meramente filosófico, técnico ou burocrático. Impacta e cheio o cidadão no seu dia-a-dia, uma vez que tira a capacidade do Estado de investir

CLEBER TOLEDO É jornalista e editor da Coluna do CT

Mais que isso: esse é o menor patamar do comprometimento da RCL com folha (pasmem!) desde o terceiro quadrimestre de 2011, quando chegou a 47,05%. Se de um lado, Palácio Araguaia conquistou uma vitória, através de duras medidas de enxugamento, de outro, é preciso que a sociedade fique atenta e cobre que essa postura de responsabilidade fiscal seja mantida.

Isso porque a crise fiscal não será superada por medidas paliativas ou ações pontuais. É preciso mudar a cultura de gestão pública neste Estado.

A LRF, criada em 2000, estabeleceu três limites para as despesas dos Estados com servidores. O que o Tocantins conseguiu atingir depois de três anos foi o legal (como dito antes, até 49%). Outro é o prudencial, que o Palácio Araguaia fala de alcançar em 2020, quando o gasto com funcionalismo é de no máximo 46,55% da RCL. O Tocantins está fora desse limite desde o terceiro quadrimestre de 2009.

O limite mais saudável é o de alerta, de 44,1%. O Estado está desenquadrado deste teto pelo menos de 2006, quando o governo Marcelo Miranda (MDB) numa guerra profunda com o siqueirismo implantou os Planos de Cargos, Carreiras e Salários (PCCSs) das categorias do funcionalismo, totalmente desconectados a realidade arrecadatória do Tesouro tocantinense.

Assim, como fica claro, o Estado hoje ter conseguido, pelo menos, retornar ao patamar legal da LRF já um feito e tanto. Contudo, é preciso modernizar a máquina pública, eliminar desperdícios e trabalhar duramente para aumentar exponencialmente a arrecadação, evoluindo em direção aos demais limites, sem retroceder.

O lado perverso do inchamento do Estado é que ele não permitiu o desenvolvimento dos serviços públicos de acordo com a evolução da demanda. Isto é, o Tocantins cresceu significativamente nos últimos 15 anos, mas o número de servidores não pôde acompanhar essa evolução porque se gastava demais com os que já existiam. Assim, estava quase que impedido de contratar e ainda não sobrava quase nada para investir.

Caso, por exemplo, da Polícia Militar. Há um déficit enorme de homens nas ruas, no entanto, o Estado patina para realizar um concurso para mil profissionais, número ainda insuficiente para as necessidades da segurança pública, conforme as associações militares. Esse quadro se repete nos mais diversos setores.

O desenquadramento é um obstáculo a novos concursos, já que o Estado não pode aumentar ainda mais seu gasto com pessoal. De outro lado, a contratação de mais servidores, com PCCSs totalmente irreais e eleitoreiros, como os que estão em vigor, só vai aumentar esse inchamento e aprofundar ainda mais a crise fiscal.

Aí é importante ressaltar que crise fiscal não é algo meramente filosófico, técnico ou burocrático. Impacta e cheio o cidadão no seu dia-a-dia, uma vez que tira a capacidade do Estado de investir e, sem investimentos, não há como ofertar saúde, educação, segurança e infraestrutura de qualidade.

Por isso, a exigência de responsabilidade fiscal e austeridade são conceitos que devem estar no mais alto dos pilares da sociedade e posturas públicas a serem exigidas com todo rigor de governador e prefeitos. Afinal, sem essa consciência fiscal não existe um Estado enxuto, eficiente e moderno, sem os quais, por sua vez, o cidadão continuará enfrentando toda desumanidade e incivilidade quando precisar do Poder Público.

Por isso, o retorno do Tocantins ao limite legal da LRF deve ser efusivamente comemorado.

CT, Palmas, 17 de setembro de 2019.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também