CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Fesserto teme aprovação da Reforma da Previdência na “calada da noite” e cobra mobilização dos servidores

Com o governo estadual querendo aprovar a Reforma da Previdência o mais rápido possível, como antecipou a Coluna do CT, a Federação dos Sindicatos de Servidores Públicos emitiu nesta segunda-feira, 16, uma nota pública para defender a mobilização do funcionalismo. A Fesserto também alerta para a possibilidade de uma Reforma Administrativa no âmbito nacional.

Para não ser pego de surpresa

Para a Fesserto, a mobilização se faz necessária porque o governo estadual vem aprovando medidas impopulares na Assembleia Legislativa em sessões feitas na “calada da noite” e sem o “devido debate com a sociedade e com as pessoas atingidas”. A federação cita como exemplo a recente instituição de um bônus de 40% para 1ª escalão.

Retirada de direitos

A nota assinada pelo presidente da Fesserto, Carlos Augusto, afirma que a preocupação também deve-se  a uma escalada de iniciativas que tira benefícios do funcionalismo, seja dos estados ou do governo federal. “As informações direcionam para uma Reforma da Previdência no Estado e Reforma Administrativa, ambas objetivando a retirada de direitos e conquistas dos servidores públicas auferidas ao longo da história e da luta de todos”, ressalta.

Aumento da contribuição dos servidores

Conforme apurado pela Coluna do CT, o governo estadual pretende i mandar para a Assembleia nos próximos dias o projeto que trata da Reforma da Previdência. O presidente do  Instituto de Gestão Previdenciária da Estado (Igeprev), Sharlles Fernando Bezerra Lima, já tinha falado em aumentar para até 16% a contribuição dos servidores com o objetivo de para evitar déficit na folha de inativos.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: [email protected]

Leia também