CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Com 9 casos de Covid-19 na cidade, prefeita de Xambioá só município não conseguirá impor ‘lockdown’ e diz que apoio da PM é fundamental

Mesmo pega de surpresa com a medida, a prefeita de Xambioá, Patrícia Evelin (DEM), disse ter aprovado o lockdown decretado pelo governo do Estado no Bico do Papagaio e outros municípios, num total de 35 cidades. Desde sábado, 16,  às 18 horas até sábado, 23, às 18 horas, só os serviços essenciais podem funcionar nessas localidades. No entanto, ela contou que a dificuldade é a mesma de todo o País: a falta de contribuição da pessoas. “Não estão respeitando o lockdown”, afirmou Patrícia.

Contribuição da PM

Patrícia avaliou que só a prefeitura não terá como fazer cumprir a decisão do governador Mauro Carlesse (DEM), e que é fundamental a contribuição da Polícia Militar.

Araguaína e São Geraldo

Xambioá registrou o primeiro caso de Covid-19 no dia 10 e, uma semana depois, nesse domingo, 17, chegou a nove registros da doença. Ela disse que são duas as fontes da contaminação: Araguaína, a 120 km, com 576 casos e 7 mortes; e São Geraldo do Araguaia, no Pará, separado da cidade tocantinense apenas pelo rio, e onde já existem 36 casos e 1 óbito.

Vans e ônibus são problema

Como ocorre nas cidades que fazem divisa com Maranhão e Pará, um sério problema são as vans e ônibus que não podem entrar nos Estados vizinhos e levam passageiros até lá para atravessar de “voadeiras”. Por isso, na quinta-feira, 14, a prefeita baixou decreto proíbe o trânsito desses veículos em Xambioá.

Flexibilizou

Patrícia impôs uma quarentena na cidade em março, logo após o decreto do governador Mauro Carlesse, mas flexibilizou uma semana depois. Só após quase dois meses veio o primeiro caso.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: redacao@clebertoledo.com.br

Leia também