CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

TEMPO REAL / O juiz e o prefeito ou pode ser o procurador-geral e o presidente

O jornal em que eu trabalhava no interior de São Paulo processou o prefeito da cidade na segunda metade dos anos 1990. No dia e hora impostos pelo Fórum, lá se foi o diretor do impresso, britanicamente, para a audiência. Do lado de fora da sala, ele e o requerido, inimigos figadais, nem se olharam até que o assessor do juiz mandou todo mundo entrar. O magistrado, ao ver o prefeito em seu ambiente de trabalho, amigos de inesquecíveis rega-bofes da high society, não se aguentou. Levantou-se eufórico de seu alto e sublime trono, desceu à planície dos normais e abraçou o companheiro de uísques e noitadas: “Prefeito, o senhor por aqui! Não acredito!”, agitava-se o árbitro da refrega, com tapas nas costas do político que ecoavam por todo o prédio.

Por óbvio, o jornal perdeu a ação. Claro, sem qualquer relação com a efusiva recepção ao alcaide, muito menos com as beberagens de ambas Excelências na fina flor da sociedade.

O presidente não quer Aras apenas como um reles procurador-geral de República. Vislumbra para ele voos mais altos

CLEBER TOLEDO, jornalista e editor da Coluna do CT

Lembrei-me dessa passagem de mais de 20 anos quando assistia na TV, nessa segunda-feira, 25, a profunda demonstração de amizade do presidente Jair Bolsonaro pelo procurador-geral da República, Augusto Aras. O chefão do MPF é um privilegiado com tamanha consideração. E não se trata de um episódio isolado.

Vejam só: Aras nem era captado pelo radar da eleição do colegiado para o cargo maior da instituição. Há quem diga que se a lista dos nomes preferidos dos procuradores não tivesse apenas três, mas dez, ele, ainda assim, não estaria nela. Mas a sintonia entre o presidente da República e o atual procurador-geral chegou ao ponto de seu nome vibrar epifanicamente e Bolsonaro o catapultar, do nada, sobre os demais para que ficasse com a vaga.

É algo de outras vidas. Só pode.

O presidente não quer Aras apenas como um reles procurador-geral de República. Vislumbra para ele voos mais altos. Quando o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro deixou o governo com a metralhadora no automático, eis que começaram a aparecer notas aqui e ali dando conta de que Bolsonaro poderia indicar seu considerado para ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), numa vaga que será aberta em novembro com a aposentadoria do decano Celso de Melo.

E este parece ser o caminho pelo que vimos nessa segunda-feira, quando a plena sintonia do presidente com o procurador-geral da República foi ao ápice. Em meio à mais profunda crise sanitária da humanidade, que deve gerar a maior recessão econômica desde o início do século 20, o chefe do Executivo deixou de lado essas preocupações comezinhas para assistir a videoconferência da posse de Carlos Alberto Vilhena na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão — diga-se: uma área muito cara ao presidente, sobre a qual ele tem um repertório de frases de exaltação ao longo da carreira.

Não satisfeito, após a solenidade, de tão emocionado e em mais uma gigantesca demonstração de apreço por Aras, Bolsonaro decidiu deixar o entediante Palácio do Planalto, naquele mesmo instante, e se dirigir até a Procuradoria-Geral para dar um abraço no amigo e no novo titular do Direito do Cidadão, esse campo tão em alta no gabinete presidencial. Mais: humildemente, pediu a autorização para ir cumprimentar aquele que chamou de “colegiado maravilhoso da PGR”. Seu considerado, sem constrangimentos, aquiesceu: será recebido com “a alegria de sempre”.

E lá se foi o chefe da Nação, suspeito de ter cometido seis crimes, para a visita surpresa àquele a quem cabe decidir se o processa ou não.

Não tenho a menor dúvida de que realmente Bolsonaro foi recebido com a “alegria de sempre”, como o prefeito do interior de São Paulo naquela marcante audiência dos longínquos anos 1990.

CT, Palmas, 26 de maio de 2020.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: [email protected]

Leia também