CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Zé Roberto defende taxação de fortunas para combate ao coronavírus; AL aprova estado de calamidade

Zé Roberto defende taxação de fortunas para combate ao coronavírus; AL aprova estado de calamidade
avaliar matéria

O deputado estadual Zé Roberto (PT) defendeu na sessão desta terça-feira, 24, a taxação das fortunas e das heranças como forma de levantar recursos como forma de combater a pandemia de coronavírus, o Covid-19. A defesa do petista acontece após a Assembleia Legislativa reconhecer o estado de calamidade pública no Tocantins decretado pelo governador Mauro Carlesse (DEM).

Mais ricos precisam contribuir

Zé Roberto avaliou que o Tocantins tem seguido as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre como combater a pandemia, mas acrescenta que ainda sim é necessário um reforço maior. “Estamos tomando as medidas certas, mas em um país desigual como o nosso, tudo isso ainda é insuficiente. 90% da riqueza do Brasil está concentrada nas mãos de menos de 10% da população e essas pessoas precisam contribuir”, argumentou.

Assembleia Legislativa reconheceu estado de calamidade decretado pelo governador (Foto: Clayton Cristus / AL)

Hora de confiscar

O deputado petista afirma que o Tocantins tem mais de 1,2 milhão de pessoas que vivem com menos de dois salários mínimos e destaca o risco deste perderem o emprego nesta pandemia. “Essa é a hora do Estado confiscar o dinheiro e usar para ajudar os menos favorecidos. Temos que taxar riqueza, herança e cuidar do povo trabalhador”, sugeriu o deputado ao avaliar que a crise do novo coronavírus deve levar cerca de 140 milhões de brasileiros a extrema pobreza. 

AL reconhece estado de calamidade

Os poucos parlamentares que compareceram à sessão desta terça-feira, 24, reconheceram o estado de calamidade pública no Tocantins em função da pandemia do novo coronavírus, conforme solicitação do governador Mauro Carlesse (DEM). O presidente da Assembleia, António Andrade (PTB), agradeceu o empenho dos pares. “Quero agradecer o esforço de cada um aqui presente, bem como os que estão online”, destacou, lembrando que muitos parlamentares vieram de muito longe, como a região do Bico do Papagaio, extremo norte do Estado.

Sessão remota

A reunião desta terça-feira, 24, da Assembleia Legislativa pode ser a última presencial durante a crise do coronavírus. Os parlamentares aprovaram também decreto que regulamenta o funcionamento da Assembleia durante a pandemia. Neste caso, porém, os efeitos são de até 60 dias, ou seja, o 25 de maio. Ao fim desse prazo, sua eficácia deverá ser revista, podendo ser ampliada, se necessário. Para casos urgentes, a Casa de Leis realiza sessões remotas.


COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:
https://www.facebook.com/PortalCT
https://Twitter.com/PortalCT
Contato com a Redação: [email protected]

Leia também