CLEBER TOLEDO
Atender a sociedade com um espaço de comunicação apartidário, focado na cidadania e comprometido com o desenvolvimento regional.

Raul acompanha movimentações, mas diz que não se une com quem não tem “a menor identificação”

6
Raul acompanha movimentações, mas diz que não se une com quem não tem “a menor identificação”
4.2 (84%) 5 votos

Responsável por coordenar a campanha da senadora Kátia Abreu (PDT) ao governo do Estado na eleição suplementar, Raul Filho (PSD) está enviando uma carta via Whatsapp para aliados, na qual  informa que continua buscando viabilizar sua pré-candidatura ao Senado. Entretanto, o ex-prefeito de Palmas demonstra insatisfação com as recentes articulações para o pleito de outubro.

“As mesmas pessoas que disputaram a recente eleição suplementar, se enfrentando na maioria das vezes com a utilização de ofensas pessoais e ideológicas, agora se juntam, na clara intenção de viabilizarem mandatos”, afirma Raul Filho no texto, dizendo que acompanha “com um misto de perplexidade e indignação, a forma que os líderes políticos de nosso Estado têm se comportado”. O ex-prefeito garante que não se juntará com “pessoas e projetos com os quais não tem a menor identificação”.

A manifestação de Raul Filho acontece após Kátia Abreu tentar iniciar um movimento com todas as oposições ao governador Mauro Carlesse (PHS). Sem resultados, informações de bastidores apontam que a congressista já abriu diálogo com o gestor. Paralelo a isto, o filho da senadora e presidente do PSD no Tocantins, deputado federal Irajá Abreu, demonstra interesse em disputar o Senado.

Em outra frente, o ex-prefeito de Palmas Carlos Amastha (PSB) busca uma aliança com adversários históricos, como o ex-governador Marcelo Miranda (MDB), o senador Vicentinho Alves (PR) e o ex-deputado estadual Marcelo Lelis (PV).

No texto, Raul Filho também acrescenta que se recusa a usar rótulos “explorados à exaustão”, citando “velha política”, “familiocracia” e “salvador da pátria”. Os termos – em especial os dois primeiros – são críticas constantes usadas por Carlos Amastha, para quem o social democrata perdeu nas eleições de 2016 e com quem Kátia Abreu – líder do grupo ao qual pertence – ainda tenta compor.

“Da mesma forma, me recuso a pactuar com quem não demonstra nenhum respeito a todas as pessoas que trabalharam e trabalham para que o Tocantins se tornasse viável. Entendo que da boca de um líder devem sair palavras de respeito, mesmo quando há conflito de ideias. E essas palavras devem corresponder a forma como ele conduz sua vida pública e pessoal”, acrescenta.

Leia abaixo a íntegra da manifestação de Raul Filho:

“Bom dia, caros companheiros:

Assim como a maioria de vocês, também tenho acompanhado com um misto de perplexidade e indignação, a forma que os líderes políticos de nosso Estado têm se comportado.

Até aqui, optei por me manter calado; até para não dar a entender que estou sendo oportunista e usando a situação para me promover.

Por convicção pessoal, participo da política ativamente por que entendo que este é o meio mais legítimo de trabalhar de forma coletiva pelo desenvolvimento das pessoas e do local onde vivemos.

Também acredito que a conquista de um mandato não deve ser a qualquer preço. Antes, tem que respeitar o interesse público, por que é para isso que nós políticos somos eleitos.

As muitas mensagens que recebi, em áudios e textos, junto com as notícias veiculadas pela imprensa local de como as mesmas pessoas que disputaram a recente eleição suplementar, se enfrentando na maioria das vezes com a utilização de ofensas pessoais e ideológicas, agora se juntam, na clara intenção de viabilizarem mandatos.

Esta é a razão principal de ocupar este espaço e me manifestar.

Tenho sim o desejo de ser candidato a senador nas eleições gerais de 7 de outubro. Mas, reafirmo o compromisso, comigo, minha família e com cada um de vocês por quem guardo amizade e respeito, que não usarei do expediente de me juntar a pessoas e projetos com os quais não tenho a menor identificação.

Também me recuso a usar rótulos de ‘velha política’, de ‘familiocracia’ ‘salvador da pátria’ e tantos outros explorados à exaustão nos últimos tempos.

Da mesma forma, me recuso a pactuar com quem não demonstra nenhum respeito a todas as pessoas que trabalharam e trabalham para que o Tocantins se tornasse viável. Entendo que da boca de um líder devem sair palavras de respeito, mesmo quando há conflito de ideias. E essas palavras devem corresponder a forma como ele conduz sua vida pública e pessoal.

Por isso, mais uma vez reitero o meu compromisso de tentar viabilizar minha candidatura, desde que para isso não tenha que passar por cima de meus princípios e respeito a dignidade inclusive das pessoas com quem possa vir a disputar um mandato.

Raul Filho, ex-prefeito de Palmas e pré-candidato ao Senado”

Leia também
Receba notícias do CT em seu e-mail
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...